domingo, 26 de junho de 2022

48º DIA (24/06/2022) DOS 52 DIAS DE JEJUM E ORAÇÃO.


 

LEITURA BÍBLICA: NEEMIAS 9.1- 5

Os grandes reavivamentos da história foram produzidos pela Palavra de Deus. Vimos no capítulo 8 de Neemias que o povo se reuniu para ouvir a Palavra de Deus. A leitura, explicação e aplicação da Palavra trouxe choro pelo pecado e alegria de Deus na vida do povo.

Vimos também que a liderança reuniu-se para aprofundar-se no estudo da Palavra e o resultado foi a restauração da vida religiosa de Jerusalém.

Essas reuniões de estudo da Palavra aconteceram durante 24 quatro dias (8:1-3,8,13,18;9:1). Havia fome da Palavra e o estudo e obediência da Palavra trouxeram um poderoso reavivamento espiritual.

Não temos nenhum outro relato bíblico de um culto tão impressionante como esse, quando o povo pelo exemplo de seus líderes reúne-se durante um mês para estudar a Palavra e acertar a sua vida com Deus.

I. O QUEBRANTAMENTO DO POVO – v. 1-5

1. O quebrantamento passa pela contrição diante de Deus – v. 1

O povo caminhou da festa (8:13-18) para o jejum (9:1-3). O povo jejuou e cobriu-se com pano de saco. Esse é um símbolo de contrição, arrependimento e profundo quebrantamento. O povo reconheceu o seu pecado. Reavivamento começa com choro, com humilhação, com quebrantamento diante de Deus (2 Cr 7:14). Não podemos adorar o Rei da glória antes de contemplarmos a triste condição do nosso pecado.

2. O quebrantamento passa por uma separação de tudo o que Deus condena – v. 2

Quebrantamento envolve obediência. O povo toma a decisão de deixar todos aqueles que não eram da linhagem de Israel para se consagrar ao Senhor.

Aqueles que não haviam se convertido ao Judaísmo não participavam dessa reunião. Eles não tinham a mesma fé e o mesmo Deus. Não há comunhão fora da verdade.

O problema aqui não é racial, mas teológico (10:28). Unir-se aos outros povos era transigir com a fé, era aceitar o sincretismo, era uma espécie de ecumenismo.

3. O quebrantamento passa pela confissão de pecado – v. 2

Quando somos iluminados pela verdade da Palavra, deixamos de nos justificar e então, reconhecemos nossos pecados e os pecados dos nossos pais. Confissão é o maior sinal do arrependimento (Pv 28:13).

A culpa é comunitária no tempo e no espaço (1:6; 9:2). A responsabilidade é coletiva. Não podemos nos isolar, somos uma família, um rebanho, um corpo, a noiva do Cordeiro.

Quando um membro sofre, todos se entristecem com ele. Quando um membro cai, os outros devem corrigi-lo com espírito de brandura.

4. O quebrantamento é produzido pela leitura da Palavra de Deus – v. 3

Quando a Palavra de Deus é lida, explicada e aplicada, então, os corações se derretem (8:8-10).

Precisamos resgatar a supremacia da Escritura e a primazia da pregação na igreja. O Evangelho é o poder de Deus para a salvação de todo o que crê. Toda a Escritura é inspirada por Deus. Só há um evangelho. Precisamos expor essa Palavra com lágrimas, no poder do Espírito. A proclamação da Palavra produz mudança na vida do povo.

5. Só um povo que se levanta do quebrantamento pode exaltar a Deus de modo digno – v. 4-5

Só os que choram pelos seus pecados, podem se alegrar em Deus. Só os que se humilham diante de Deus, podem ser restaurados por Deus. Vemos a glória de Deus quando molhamos os nossos olhos nas lágrimas do arrependimento.

Os levitas têm uma visão gloriosa da transcendente majestade de Deus (v. 5b).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

TRANSFORMAÇÃO EXIGE DECISÃO.