quarta-feira, 9 de novembro de 2022

ACEITAREMOS O BEM DADO POR DEUS, E NÃO O MAL?



Nesta passagem vétero-hebraica há um ponto que sempre me passou despercebido por conta de estar sempre olhando outros aspectos da vida de Jó. Aceitar esses dois lados divinos, que podem tocar nossa existência, é algo extremamente desafiador.


Comumente, somos ensinados a ver a Deus como resolvedor-mor de nossos problemas. Um Deus de amor. Esta maneira "shazan" de ver a vida é demasiadamente superficial. A mulher de Jó foi sensata até um certo ponto, mas, por se deixar levar pela incerteza, acabou incentivando Jó a aceitar a derrota.

Como pastor há 23 anos e 27 de ministério observando o que acontece em nossa igreja e nas milhares de igrejas brasileiras, creio que o que se pode fazer como tentativa de dar um encaminhamento coerente a esta massa evangélica, pentecostal e pós-pentecostal, principalmente, é, no primeiro momento, falar a verdade que o povo precisa saber e trazê-lo para o mundo real. Depois, devemos descontaminar o povo dessa liturgia maníaca, neurótica, triunfalista, na qual está chafurdado; em terceiro lugar mostrar que o caminho a ser tomado é o da MATURIDADE.

Não há meias verdades. É pegar ou largar. A vida nos traz momentos bons e maus. Temos que saber viver esses dois lados da existência.

Soli Deo Gloria
Pastor Flavio Constantino

segunda-feira, 7 de novembro de 2022

CURSO DE EVANGELISMO E MISSÕES


 

ATENÇÃO!

É HOJE!

CURSO DE EVANGELISMO E MISSÕES

 

Evangelizar é tarefa primordial da Igreja, principalmente quando ela entende o seu momento e o seu papel histórico e, por isso, se articula na sociedade como comunidade alternativa para "salvar" aqueles que perderam o horizonte da vida e os referenciais acerca de Deus.

Evangelizar é recolocar na boca do povo o grito de independência e libertação dado por Jesus na cruz do Calvário ("ESTÁ CONSUMADO!") contra o pecado, a culpa, a idolatria, a feitiçaria, o orgulho,  a falta de solidariedade humana, a desumanização do ser humano, a morte, o inferno e as maldições provocadas pelos maus exemplos presentes na sociedade em que vivemos.

PARTICIPE CONOSCO VIRTUALMENTE (100% ON-LINE) A PARTIR DAS 20 HORAS NO ENDEREÇO CONTIDO NO BANNER.

Convide seus familiares e amigos.

 Maiores informações pelo WhatsApp (27) 98120-0528.

quinta-feira, 3 de novembro de 2022

TEMA: "O HOMEM A QUEM DEUS USA."


 SÉRIE: NOVEMBRO AZUL

DESIGREJADOS OU ESPERTALHÕES?

 


Dizer que “Desigrejado” é aquele que se afastou do modelo ortodoxo de comunhão (igreja denominacional) e não aderiu a nenhum outro modelo heterodoxo, seja células, igreja em casa, ou ainda comunidades e novos modelos, tão pouco se desviou de Cristo, tão somente de sua comunidade, não aderindo a nenhuma outra, é temerário demais e deixa um monte de coisa para ser dita.

Até compreendo que há algumas pessoas que saem da igreja depois de terem sido quase destruídos pela própria igreja. Mas eu não os chamaria de desigrejados, mas sim de machucados, decepcionados, desiludidos, desapontados, os chamados «feridos em nome de Deus». Digo assim, porque, no final de tudo, eles sabem que vão encontrar situações semelhantes em outros lugares e em outras etapas das suas vidas. Não há como fugir disso nem sendo desigrejado, pois o desigrejado leva o peso da história de uma igreja nas costas pelo resto da vida.

O grupo maior de desigrejados é aquele que tem um histórico padrão: rebeldes sem causa, sem história, sem paradeiro, sem compromisso; pessoas que não ficam em igreja nenhuma, mas, ao final, criam para si a IGREJA DOS DESIGREJADOS do tipo “só o que nós achamos deve prevalecer” ou: “Não achei igreja pra mim!”; é gente que só consegue conviver com pessoas semelhantes; desde cedo se rebelam contra a autoridade dos pais, não aceitam seu lugar de obediência, e rejeitam qualquer figura de autoridade representativa onde quer que ela apareça, SEJA QUAL FOR O AMBIENTE.

Apegam-se a ideia do “só Jesus” como garantia do estilo de vida que se propuseram viver. Eles esquecem que Jesus se submeteu aos seus pais terrenos, às leis e às regras estabelecidas em Israel. SE É SÓ JESUS eles deveriam aprender com quem dizem que seguem.

Eles precisam conhecer o JESUS DO APOCALIPSE que adverte a maioria das SETE igrejas mostrando os seus graves problemas, mas NÃO DEIXA DE CHAMÁ-LAS DE IGREJA, de castiçal e de fazer-lhes promessas. Se fossem os Desigrejados a julgar essas igrejas, nem Esmirna, Filadélfia passaria pelo seu juízo.

O problema dos desigrejados é só um: NÃO ACEITAM OBEDECER A NORMAS, REGRAS, LIMITES ESTABELECIDOS NAS IGREJAS. E por isso inventam outra forma de igreja: a igreja dos desigrejados, ou seja, dos que não obedecem a nenhuma liderança, mas querem ser obedecidos. É aqui que tudo começa a desmoronar em suas cabeças a partir dessa nova estrutura sem lei.

Desigrejados geralmente são pessoas que invejam a liderança e que gostariam de ser e ter o que eles têm e são e, como não conseguem, querem começar outra igreja, DIZENDO QUE NÃO TERÁ LIDERANÇA. É uma baita mentira, porque é exatamente o contrário o que sempre acontece!

Geralmente um líder desigrejado é pior – mil vezes pior – do que qualquer líder de uma igreja normal. Porque fingem ser contra a igreja, como instituição, mas o que de fato querem mesmo é uma igreja para liderarem.

No começo de sua nova igreja – a igreja dos desigrejados –, são maravilhosos, cordatos, pacientes ... Mas em pouco tempo mostram sua face intolerante, impaciente, obsessiva, possessiva e aí a “casa cai”.

Acordem!!! Desigrejados são só de nome; porque são as mais “igrejadas” das criaturas; só que a igreja que eles querem é aquela que eles possam mandar e que seja do seu jeito. Não são idealistas; são espertalhões buscando um lugar ao sol de uma maneira errada.

 

Soli Deo Gloria

Pastor Flavio Constantino


sexta-feira, 7 de outubro de 2022

A GRAÇA DE OFERTAR

 


Nós aprendemos desde cedo que a graça é favor imerecido. É algo que está para além das posses de nossas virtudes. Justamente por essa razão a graça é de graça.

No entanto, na nossa ideia do que seja graça, enquadram-se apenas as felizes e carismáticas manifestações das bênçãos de Deus sobre nós (Ef. 1:3). Nunca pensamos em graça como privilégio de sofrer.

Além da graça de sofrer, há ainda uma outra graça indesejável, aliás, bem poucos a vêm como graça, como privilégio, como favor imerecido. Trata-se da graça de contribuir.

Percebe-se a contribuição como graça, mais do que qualquer outra ocasião, quando Paulo faz conhecer a igreja de Corinto a atitude generosa e pródiga de amor que permeara o gesto da igreja da Macedônia, quando se solidarizou com a comunidade cristã da Judéia – que passava um gravíssimo período de pobreza e fome – enviando-lhe ainda que sem condições ideais para tal oferta de amor.

Os irmãos da Macedônia não se sentiam dignos de contribuir, de participar da obra de Deus. Por isso, pediam que essa possibilidade lhes fosse criada, ainda que numa expressão de graça, de favor imerecido.

Paulo diz aos coríntios: “Também irmãos, vos fazemos conhecer a graça de Deus, concedida as igrejas da Macedônia; por que no meio de muita prova e tribulação manifestaram abundância de alegria, e a profunda pobreza deles superabundou em grande riqueza da sua generosidade” (II Cor. 8:1 e 2).

O apóstolo prossegue dizendo que era tão grande a consciência que tomava os irmãos macedônios de que contribuir era um favor imerecido, que eles suplicaram com “muitos rogos a graça de participarem da assistência aos santos” (II Co 8:4).

Aliás, nada se podia esperar de uma igreja que se julgava madura como a de Corinto – crendo que estava superabundando em fé, teologia, sabedoria e serviço social – senão algo, no mínimo, semelhante à consciência dos irmãos macedônios. Por essa razão Paulo lhes diz: “Assim também abundeis nesta graça” (II Cor. 8:7). De fato, o que se define de modo irrefutável neste princípio do apóstolo à questão da contribuição, é que ofertar para a obra do Senhor é um favor que nenhum de nós merece. É graça.

Soli Deo Gloria

Pastor Flavio Constantino


terça-feira, 4 de outubro de 2022

SÉRIE: ESTUDO NA EPÍSTOLA DE TIAGO - TEMA: "COMO TRANSFORMAR PROVAÇÕES EM TRIUNFOS."


 

O QUE É UM DISCÍPULO?


 

Segundo o dicionário da língua portuguesa: define discípulo como “aquele que estuda; aprendiz; aluno receptivo a ensinamentos; seguidor disposto a dar prosseguimento ao trabalho (de seu mestre); seguidor convicto de uma ideia, uma virtude, um ideal etc.”

 

Para Jesus discípulo era a sua palavra favorita para aqueles cujas vidas estavam ligadas intimamente com a DELE. A palavra grega traduzida como discípulo “mathetes”, é usada 269 vezes nos Evangelhos e em Atos, e significa, literalmente: pessoa ensinada, treinada ou aperfeiçoada.

 

Se você pretende ser leal a alguém, você deve estar seguro a seu respeito. Do contrário, é pura hipocrisia, discurso vazio e balela.

sexta-feira, 30 de setembro de 2022

CHAMADA PARA LIVE - "O QUE NÃO É O PASTOR E O QUE É?"


 

Quando falamos da figura do pastor e o que ele representa é preciso ter um olhar realista sobre o assunto.

 

Em primeiro lugar, o pastor, acima de tudo, deve amar a Jesus, o Sumo Pastor. Sem isso, qualquer relação de amor é impossível, pois quanto mais amor, mais serviço. O pastor de ovelha nem sempre ama a Jesus o suficiente nem tampouco suas ovelhas. A relação pastor ovelha não deve ser o encontro do mais e menos, do comandante e soldado, do que manda com o que obedece. A base de tudo deve ser – tem que ser – o amor, mas nem sempre isso é possível. Não é ser um bom pregador, visitador, ensinador, etc., que identifica se uma pessoa é pastor ou não. Esta visão é equivocada.

 

Em segundo lugar é preciso dizer que alguns pastores mantêm o rebanho “raquítico” por lhe passar um conhecimento “infantil” e manter uma relação de “dependência” para não perder o controle sobre as ovelhas. Esta é uma relação que prevalece nas igrejas. Mas como identificar uma pessoa que tem vocação pastoral? O que não é o Pastor e o que é?

quarta-feira, 28 de setembro de 2022

MORRE O IRMÃO ANDRÉ, O CONTRABANDISTA DE DEUS.

 

Neste 27 de setembro, Deus levou para si o querido irmão André, que faleceu em sua casa em Ermelo, na Holanda, aos 94 anos. Anne Van der Bijl, conhecido mundialmente como Irmão André, foi o fundador da Portas Abertas — o mais antigo ministério internacional em favor dos cristãos perseguidos.

 

Sua ligação com essa parte específica da igreja começou em 1955, quando foi com uma delegação holandesa ao Festival Mundial da Juventude Comunista na Polônia. Lá, ele descobriu uma igreja cristã por trás da Cortina de Ferro que precisava de Bíblias desesperadamente. Ali, o Irmão André distribuiu uma mala cheia de literatura cristã, marcando assim o humilde início da Portas Abertas. A base para o começo do trabalho foi Apocalipse 3.2: “Esteja atento! Fortaleça o que resta e que estava para morrer”.

 

Em 2022, a Portas Abertas comemorou 67 anos de ministério e atua em mais de 60 países. A missão conta com mais de 1.400 colaboradores globalmente, com o propósito de apoiar e fortalecer cristãos perseguidos e igrejas em países onde há perseguição. Irmão André sempre dizia: “Nossa missão se chama Portas Abertas porque acreditamos que todas as portas estão abertas, em todo o tempo e em qualquer lugar. Eu literalmente acredito que toda porta está aberta para ir e pregar o evangelho, desde que você esteja disposto a ir e não esteja preocupado em voltar”.

 

Sua autobiografia, O Contrabandista de Deus, é um best-seller internacional. Desde 1967, mais de 10 milhões de cópias do livro já foram vendidas em mais de 40 idiomas. Em 2015, foi lançada uma edição do livro atualizada em comemoração aos 60 anos da Portas Abertas. A versão inclui um epílogo de 25 páginas destacando suas “aventuras” posteriores à primeira publicação do livro. 

 

Amor aos muçulmanos 

Estima-se que o Irmão André tenha visitado 125 países e percorrido mais de um milhão de milhas em suas viagens para pregar o evangelho e fazer amizade com pessoas em necessidade. Sua amizade e amor a Deus o levaram a reuniões privadas com líderes de vários grupos fundamentalistas. Ele foi um dos poucos líderes ocidentais que regularmente ia a esses grupos como um embaixador de Cristo. Seu livro de 2004, Força da Luz: uma tocante história da igreja pega no meio do fogo cruzado no Oriente Médio, em coautoria com Al Janssen, conta sobre seu evangelismo no Oriente Médio. Um outro livro, também em coautoria com Al Janssen, publicado em 2007, foi Cristão Secretos: o que acontece quando muçulmanos creem em Cristo.

 

O Irmão André levou a Portas Abertas a lugares onde a maioria dos cristãos não iria. Sua rede subterrânea de cristãos locais ajudou na distribuição de milhões de Bíblias a cada ano em todo o mundo, bem como no treinamento de centenas de milhares de líderes cristãos. O ministério também assiste a Igreja Perseguida por meio de ajuda socioeconômica, alfabetização, treinamento vocacional, entre outras frentes de atuação, nos países mais perigosos do mundo.

 

Dan Ole Shani, CEO (Chief Executive Officer) da Portas Abertas Internacional, disse: “O Irmão André foi casado por 59 anos com Corry, que faleceu em 23 de janeiro de 2018. Eles deixam cinco filhos e onze netos. Apreciamos as orações pela família diante da grande perda. Perda que, aliás, não foi só para eles, mas para a igreja mundial. Irmão André deixará suas marcas na história da igreja e um legado de amor e fidelidade a Deus para as próximas gerações”.

 

Marco Cruz, secretário-geral da Portas Abertas Brasil, compartilha: “O Irmão André nos deixa um exemplo de obediência ao Senhor e ao seu chamado. Foi obediente ao ponto de colocar muitas vezes em risco a sua própria vida. Ele não media esforços para seguir o chamado recebido de Deus e servir os cristãos perseguidos. Como ele mesmo dizia: Claro que é perigoso, mas é mais perigoso não obedecer a Deus. Segurança é algo que não está em jogo quando se trata da Grande Comissão”.

 

É em respeito ao desejo da família do Irmão André que só estamos publicando sobre o falecimento de nosso querido fundador nesta data.

 

Fonte: https://portasabertas.org.br/noticias/cristaos-perseguidos/morre-irmao-andre-o-contrabandista-de-deus

 


terça-feira, 27 de setembro de 2022

TEMA: "TROPOFOBIA - O MEDO DE PASSAR POR MUDANÇAS". (final)


 

25 ANOS DE CASADOS – BODAS DE PRATA


VAMOS CELEBRAR! NÓS MERECEMOS.

 

Vencemos necessidades, o medo, a carência, o adultério, a culpa, os traumas, o desprezo, o rancor...  vencemos. O AMOR VENCEU! Seguramos sorrisos, engolimos o choro, semeamos lágrimas, corremos contra o vento, subimos os montes e suportamos os vales. Aliás, o melhor da vida, é a vida compartilhada e, na partilha, passamos por montes e vales. Nos montes celebramos e, no vale, aprendemos.

 

Obrigado, amor meu, por sua parceria nestes 25 anos. Você amou minha raiz e não somente minhas folhas. Folhas vão-se com a mudança das estações mas, a raiz, permanece em todas elas.

 

Sua fé em nós dois nos salvou. Vencemos meu amor!

 

Àquele que nos uniu, a honra e a glória.

quinta-feira, 22 de setembro de 2022

SORTE OU AZAR?


 

Esta é uma questão que, à primeira vista, parece elementar, mas não é. E, para o total desconforto de alguns cristãos, o problema agrava-se quando nos deparamos com fatos nitidamente comprobatórios de que há pessoas que parecem receber uma “ajudinha extra” em tudo que fazem, enquanto outros, ao contrário, nada do que fazem dá certo. Há histórias estranhíssimas apontando esta dolorosa realidade; histórias de pessoas que nada fizeram e nada fazem para serem melhores e, no entanto, conseguem sempre o mais difícil. Em contrapartida temos trabalhadores que se esforçam até o seu limite e não levam nada. Eu não estou falando aqui de probabilidades, mas de fatos avassaladoramente inexplicáveis e inexoráveis.

É indiscutível dizer que existem algumas mostragens nos episódios da vida que nos deixam sem qualquer explicação, mesmo que tentemos explicar. Pior: na tentativa de responder à questão em tela, o fazemos de maneira simplória. Na realidade, a intenção das explicações simplistas é quase sempre fechar o assunto acerca do qual não compreendemos e contra o qual nos sentimos impotentes.

É por essas e outras explicações anestésicas, mas nada racionais, que acabamos sofrendo do mal de Asafe, o líder dos cantores de Davi.

O cantor de Israel, ao sair um dia do seu casulo existencial sagrado, enfrentou a pior crise da sua vida. Para ele era algo asfixiante, esmagador: viu que os “ímpios” (os não religiosos) estavam levando a melhor ao sabor de uma vida sem Deus. Ele que apostara tudo em Deus parecia menos privilegiados. O que estava acontecendo?

Na verdade, quando perguntamos se há os que têm mais sorte na vida, queremos de fato fazer uma outra pergunta: por que o ímpio parece estar levando a melhor?
Jó e Eclesiastes são os únicos livros – em toda a Bíblia Sagrada – a ressaltarem uma maneira contrária de pensar a vida do justo e do ímpio.

Jó, descrito na “torá oral evangélica” como paradigma da submissão, da suportabilidade, homem de comportamento ilibado em relação à dor, é a figura mais rebelde do Antigo Testamento. É rebelde na sua maneira de tratar as interpretações acerca do sofrimento do justo: reclama, combate, insurge-se, repele qualquer explicação da ortodoxia religiosa, não aceita a dor, reivindica justiça, chama Deus a um tribunal para uma disputa justa...

A maneira tradicional de pensar o sofrimento de Jó é oposta a tudo o que está desvelado nas Escrituras Sagradas. Nossos intérpretes – parece – pegaram o “bonde andando” e agora não sabem para onde vão e nem têm como pará-lo. Jó, portanto, é a história de dor, angústia, sofrimento que torna o homem mais sagrado alguém de carne e osso. Além do mais, para Deus vale mais o tratamento do nosso caráter do que o nosso bem estar.

O autor de Eclesiastes, por sua vez, abre mão do ortodoxismo do seu tempo e se arremete contra a dicotomia determinista, que coloca o ímpio sempre em situação de desvantagem na história. O “pregador” reverbera dizendo que nem sempre isso é realidade:

“Sim eu sei que dizem: ‘Se você temer a Deus, tudo lhe correrá bem; mas não correrá bem para os maus. A vida deles passa como a sombra: morrerão jovens porque não temem a Deus.’ Mas isso não tem sentido. Vejam o que acontece no mundo: muitas vezes os bons são castigados, e não os maus; e os maus são premiados, e não os bons.”

Acompanhe o meu raciocínio e descubra a gangorra da vida entre a sorte e o azar:

Fábio amava Alcione. Mas Alcione nada queria com Fábio – que azar de Fábio. Depois de tantas tentativas, Fábio consegue convencer Alcione de se casar com ele – que sorte de Fábio. Após o casamento, o casal descobre que não pode ter filhos – que azar de Fábio e Alcione. Fábio e Alcione conseguem tratamento e o esperado filho nasce – que sorte. Após o nascimento da bela criança, Alcione morre – que azar para Fábio. O menino Filipe cresce e quando completa a idade de 18 anos o pai lhe presenteia com um belo cavalo puro sangue – que sorte. A primeira cavalgada com o belo cavalo Filipe cai e quebra a perna – que azar. Dias depois, chega uma convocação do exército para o jovem Filipe, para que este se apresente com urgência a fim de ser enviado para o campo de guerra; Filipe não pode ir pelo fato de ter sua perna quebrada – que sorte. Filipe...

Como o leitor pode notar, eu poderia continuar esta história interminável. No entanto, com ela eu só quero destacar a alternância que há entre a sorte e o azar e como os dois elementos se ajustam na existência humana, revelando-nos que não há determinismo em nenhum desses elementos.

Do exposto, para amenizar a dor do leitor, deixo esta palavra de consolação:

A maioria dos homens que conseguiram se tornar os mais ricos do mundo veio
das classes menos favorecidas.


Soli Deo Gloria

Pastor Flavio Constantino

sexta-feira, 16 de setembro de 2022

DEVOCIONAL #030 (16/09/2022)


 

Provérbios 4.7-9

“O conselho da sabedoria é: procure obter sabedoria; use tudo que você possui para adquirir entendimento. Dedique alta estima à sabedoria, e ela o exaltará; abrace-a, e ela o honrará. Ela porá um belo diadema sobre a sua cabeça e lhe dará de presente uma coroa de esplendor” (Pv 4.7-9 NVI).

quinta-feira, 15 de setembro de 2022

TEMA: "UMA ENTREVISTA COM A FILHA DE JAIRO."


 

DEVOCIONAL #029 (15/09/2022)


 

Provérbios 4.3-6

“Quando eu era menino, ainda pequeno, em companhia de meu pai, um filho muito especial para minha mãe, ele me ensinava e me dizia: ‘Apegue-se às minhas palavras de todo o coração; obedeça aos meus mandamentos, e você terá vida. Procure obter sabedoria e entendimento; não se esqueça das minhas palavras nem delas se afaste. Não abandone a sabedoria, e ela o protegerá; ame-a, e ela cuidará de você’” (Pv 4.3-6 NVI).

quarta-feira, 14 de setembro de 2022

DEVOCIONAL #028 (14/09/2022)


 

Provérbios 4.1,2

“Ouçam, meus filhos, a instrução de um pai; estejam atentos, e obterão discernimento. O ensino que lhes ofereço é bom; por isso não abandonem a minha instrução” (Pv 4.1,2 NVI).

terça-feira, 13 de setembro de 2022

TEMA: "TROPOFOBIA- O MEDO DE PASSAR POR MUDANÇAS." (parte 1)


 

DEVOCIONAL #027 (13/09/2022)

 

Provérbios 3.33-35

“A maldição do Senhor habita na casa do ímpio, mas a habitação dos justos abençoará. Certamente ele escarnecerá dos escarnecedores, mas dará graça aos mansos. Os sábios herdarão honra, mas os loucos tomam sobre si vergonha” (Pv 3.33-35 NVI).


segunda-feira, 12 de setembro de 2022

DEVOCIONAL #026 (12/09/2022)


 

Provérbios 3.29-32

“Não planeje o mal contra o seu próximo, que confiantemente mora perto de você. Não acuse alguém sem motivo, se ele não lhe fez nenhum mal. Não tenha inveja de quem é violento nem adote nenhum dos seus procedimentos, pois o Senhor detesta o perverso, mas o justo é seu grande amigo” (Pv 3.29-32 NVI).

sábado, 10 de setembro de 2022

MATERIAL DE ALFABETIZAÇÃO QUEIMADO EM BANGLADESH.


 

A Organização das Nações Unidas escolheu o dia 8 de setembro como Dia Mundial da Alfabetização. O objetivo da data é destacar a importância da educação e da alfabetização internacionalmente. Bangladesh é uma das nações com muitos analfabetos.  


Para atender à necessidade de alfabetização no país, parceiros locais da Portas Abertas organizaram o Centro de Alfabetização de Adultos (ALC, da sigla em inglês) há poucos anos. O projeto se expandiu por todo o país.  


Muitos cristãos se inscreveram nas aulas e aprenderam a ler e escrever. O programa beneficiou principalmente a comunidade rural que é excluída do acesso à educação. Apesar disso, a maioria muçulmana não vê o projeto com bons olhos. 


Pressão de extremistas 


No dia 31 de julho deste ano, uma unidade do ALC no Nordeste de Bangladesh foi atacada. Dois extremistas muçulmanos roubaram livros, cadernos e outros materiais do projeto e queimaram. Todo o trabalho dos professores e alunos foi reduzido a cinzas.  


Os extremistas também fizeram uma denúncia formal às autoridades locais. Questionaram por que cristãos podiam dar aulas de alfabetização naquele local e acusaram a professora Mahfuza Bagum de converter os alunos ao cristianismo. 


No final de agosto, líderes muçulmanos locais revistaram a casa dos estudantes novamente. Eles procuravam especificamente Bíblias, materiais de alfabetização e outros recursos usados em sala.  


Professora expulsa do vilarejo 


No segundo ataque, os estudantes não puderam reagir e apenas observavam enquanto os extremistas reviravam a casa deles e rasgavam as páginas das Bíblias. O que sobrou das Bíblias e livros foi vendido para reciclagem e queimado. 


Mahfuza e o marido ficaram angustiados. Eles foram expulsos do vilarejo onde trabalhavam e foram ameaçados de morte caso voltassem para lá. O casal se mudou para outro local.  


Parceiros locais da Portas Abertas em Bangladesh estão acompanhando o casal e os alunos que participavam do projeto de alfabetização. Eles também estão ajudando o casal a recomeçar a vida e a continuar servindo a população local. 


Água para cristãos em Bangladesh

Uma das formas de pressionar cristãos a deixarem a fé em Jesus é limitando o acesso deles a água. Com uma doação, você ajuda a construir poços artesianos no quintal de cristãos perseguidos em Bangladesh, garantindo o acesso a esse direito básico. 


Pedidos de oração

  • Ore pela professora Mahfuza e pelos alunos, para que Deus os ajude a permanecer firmes e os conduza com sabedoria enquanto as aulas estão proibidas. 
  • Interceda pelos perseguidores, para que Deus abra os seus olhos, para que percebam suas más ações e arrependam-se. 
  • Peça a Deus que abra portas de emprego para Mahfuza e o marido no novo vilarejo onde estão morando e que eles tenham todas as necessidades financeiras supridas. 

 

FONTE:https://portasabertas.org.br/noticias/cristaos-perseguidos/material-de-alfabetizacao-queimado-em-bangladesh

DEVOCIONAL #025 (09/09/2022)

 

Provérbios 3.27,28

“Quanto lhe for possível, não deixe de fazer o bem a quem dele precisa. Não diga ao seu próximo: ‘Volte amanhã, e eu lhe darei algo’, se pode ajudá-lo hoje” (Pv 3.27,28 NVI).


quinta-feira, 8 de setembro de 2022

DEVOCIONAL #024 (08/09/2022)


 

Provérbios 3.23-26

“Então andarás confiante pelo teu caminho, e o teu pé não tropeçará. Quando te deitares, não temerás; ao contrário, o teu sono será suave ao te deitares. Não temas o pavor repentino, nem a investida dos perversos quando vier. Porque o Senhor será a tua esperança; guardará os teus pés de serem capturados” (Pv 3.23-26 NVI).

quarta-feira, 7 de setembro de 2022

DEVOCIONAL #023 (07/09/2022)


 

Provérbios 3.21,22

“Meu filho, guarde consigo a sensatez e o equilíbrio, nunca os perca de vista; trarão vida a você e serão um enfeite para o seu pescoço” (Pv 3.21,22 NVI).

terça-feira, 6 de setembro de 2022

TEMA: "COMO LIDAR COM A DEPRESSÃO".


 

DEVOCIONAL #022 (06/09/2022)


 

Provérbios 3.19,20

“Por sua sabedoria o Senhor lançou os alicerces da terra, por seu entendimento fixou no lugar os céus; por seu conhecimento as fontes profundas se rompem, e as nuvens gotejam o orvalho” (Pv 3.19,20 NVI).

segunda-feira, 5 de setembro de 2022

DEVOCIONAL #021 (05/09/2022)


 

Provérbios 3.16-18

“Na mão direita, a sabedoria lhe garante vida longa; na mão esquerda, riquezas e honra. Os caminhos da sabedoria são caminhos agradáveis, e todas as suas veredas são paz. A sabedoria é árvore que dá vida a quem a abraça; quem a ela se apega será abençoado” (Pv 3.16-18 NVI).

quinta-feira, 1 de setembro de 2022

A BÍBLIA, A PROFECIA E A POLÍTICA


 

Os problemas vividos pela sociedade atual assemelham-se aos vividos pelos homens de Deus no Velho e Novo Testamentos. Os profetas, porta vozes de Deus, já viviam às voltas com toda sorte de modalidades de corrupção praticadas na atualidade. Por isso as profecias confrontam o poder corruptor e soam aos nossos ouvidos como discurso político. Isaias no capítulo 5 versículos 18 e 23 e Amós no capítulo 2 versículo 6, por exemplo, vaticinam contra o institucionalismo que favorece a parcialidade, o favoritismo e a impunidade.

Dizer que não é político e fazer, agir, como se político fosse, é a pior forma de se fazer política. A política da não política é a mais hipócrita de todas as políticas, porque se faz política a partir da sua negação. E fazer o que se nega e negar o que se faz é hipocrisia da pior espécie. Além disso, afirmar que determinados atos absolutamente políticos não são políticos, é tergiversar. Isso porque político, sem exceção, todos nós somos, direta ou indiretamente, velada ou abertamente, já que política, por definição original, é o conhecimento, a participação, a defesa e a gestão da polis (cidade-estado na Grécia). Portanto, ser político é algo inerente à condição de ser humano. Além do que, é impossível a existência de uma sociedade sem autoridades, normas, sanções, mecanismos de participação e formas de decisão.

É preciso entender, de uma vez por todas, que o nosso problema com a política está fundamentalmente no fato de que interpretamos mal os textos bíblicos. Por isso tanta aversão. Além do que passamos todo tempo da nossa história ouvindo que política é do diabo. Todo esse modo de pensar acabou por criar um inconsciente coletivo despolitizado do qual estamos conseguindo, com muito custo, nos livrar.

Hoje, se algumas igrejas encontram-se separadas dos temas sociais do mundo que as rodeia, é em razão de uma posição tomada séculos atrás. Na tentativa de se reaproximar de Deus, a Igreja “saiu” do mundo, e para ele fechou as suas portas. A preocupação passou a ser o “interior”, o coração, um tipo legalista de “negar-se a si mesmo para si mesmo”, como expressão de devoção. Com isso a Igreja deixa com os poderosos a articulação política e se dedica, total e irrestritamente, a um tipo de espiritualidade egoísta e antissocial, que só se preocupa com a fé excluindo as obras (Tiago 2. 14-18). Evidentemente, muita coisa precisava ser mudada, na época, mas infelizmente essas mudanças fizeram a Igreja deixar para trás as pegadas de sangue de quem fez do pobre, do miserável e do oprimido, o alvo do seu amor libertador – JESUS CRISTO.

Eu tenho absoluta certeza de que uma ideia que vem se arrastando há séculos, pode ser mudada a médio e a longo prazo. Isto porque este quadro de inércia histórica já começou a ser revertido. A pregação da Igreja, hoje, não visa apenas a alma, mas, sim, o homem inteiro.

Estou de acordo também que a igreja evangélica deste novo milênio tem se tornado uma igreja politizada. Não só acredito como é possível provar isso objetivamente. Explico. A cada ano que passa, o povo latino americano, espoliado nos seus excedentes pelos colonizadores modernos, vai aprendendo - mesmo que seja só no sentido prático da palavra - um pouco mais sobre política: seu alcance, seu poder, sua eficácia, sua abrangência, sua realidade e como fazê-la legitimamente. Além disso, o discurso evangélico está sofrendo sensíveis modificações, sinalizando que é por aí que ocorrerão as transformações necessárias e desejadas.

Hoje, a Igreja Evangélica sabe discernir muito bem em quem ela deve votar. Eu diria mais: a partir desse movimento de conscientização, os evangélicos, que surpreenderam na eleição passada, continuarão a sobressaltar a muitos que viviam da sua carne e do seu sangue.

Daqui para frente, a igreja tem a obrigação, pelas informações recebidas e pelos últimos acontecimentos, de dar uma resposta ética à toda essa estrutura corrupta que se levantou, com base no fisiologismo (relação de poder político em que ações e decisões políticas são tomadas em troca de favores e benefícios privados em detrimento do bem comum). Os evangélicos e os brasileiros, de um modo geral, devem se levantar contra toda essa situação insuportável de apertura econômica e caos social. Por estas e outras razões, eu acredito que, daqui para frente, a despeito de todas as nossas fragilidades, ainda, as coisas serão bem diferentes. Diferentes, porque já está havendo um arrefecimento por parte do povo contra candidatos “quebra galho”, mas sem perfil moral. Prometem aquilo que não podem cumprir e fazem campanhas eminentemente eleitoreiras, imaginando que o povo ainda se encontra na escuridão política, sem saber discernir o certo do errado.

Acredito que um cristão politicamente lúcido precisa ter o gemido da criação nos seus ouvidos a fim de que tenha também vós profética para defendê-la.


Soli Deo Gloria

Pastor Flavio Constantino

segunda-feira, 29 de agosto de 2022

HÁ UM AR DE DESAPONTAMENTO COM A IGREJA EM NOSSO PAÍS

 

Ouço vozes esmorecidas e vejo olhares que não brilham mais. É o desencanto com a Noiva.

 Noto que a desilusão vem pela tristeza ao ver cenários onde o louvor e a pregação se transformam em fonte de lucro e não consequência de corações transbordantes. Pela proliferação de igrejas cada vez mais cheias, porém aparentemente tão vazias, menos comprometidas com a Palavra, sem sede de santidade e paixão pelos perdidos. Segue pela tênue linha que por vezes parece não distinguir muito bem Igreja e mundo, especialmente quando o binômio interesse e finanças se apresenta,  e ainda pela dificuldade em identificar a Igreja de Cristo em meio aos movimentos religiosos.

 O desencanto faz o povo olhar para o passado e relembrar os velhos tempos. Comenta-se sobre os pastores à antiga e dias quando a Igreja ainda via simplesmente na Palavra razão suficiente para o santo ajuntamento. Tempos quando o constrangimento por ser crente era resultado da discriminação, porém jamais identificação com o injusto e o desonesto.  Por fim suspira-se desanimado.

 Em momentos assim é preciso lembrar que Jesus jamais perdeu o absoluto controle sobre a história da Igreja. Jamais foi surpreendido por coisa alguma em todos estes anos. Jamais deixou de ser Senhor. Apesar das fortes cores de desalento a Noiva está sendo conduzida ao altar e o dia de brilho há de chegar.

 Isso levou-me a pensar no dia de meu casamento. Foi em 27 de setembro de 1997. Apesar do amor e alegria pelo dia chegado tudo parecia fadado ao fracasso absoluto. A pessoa contratada para fazer a maquiagem não apareceu tudo se tornava uma incrível agitação. A noiva chorou pelos desencontros do dia. O andar de cima da casa de minha sogra onde ela se arrumava tornou-se, aos meus olhos, em um pátio de guerra. Pessoas entrando e saindo apressadas, faces carregadas de ansiedade e um tom sempre apocalíptico a cada nova notícia. Ao longo dos anos percebi que os casamentos são parecidos neste ponto. A balbúrdia que cerca a noiva antecedendo seu momento de brilho é emblemática. Aos olhos do passante que vê a agitação sem fim, nada parece ter esperança.

 Fui para a cerimônia esperando o pior. Jamais seria possível contornar todos os imprevistos, e o impensado poderia acontecer: a noiva não estaria pronta! Enquanto pensava nisto, ali no altar, eis que ela chega. Estava linda, uma verdadeira princesa. O rosto sorridente, o caminhar lento e seguro, o vestido alvo como a neve, simplesmente perfeita . A música, a ornamentação, as palavras, tudo se encaixava. Que milagre poderia transformar um dia de caos em um momento de brilho tão belo?

 As horas de luta, as lágrimas derramadas, os desencontros e desalento foram rapidamente esquecidos e um só pensamento pairava naquele saguão: a Noiva estava linda.

 Talvez vivamos hoje dias melancólicos ao visualizar a Igreja quando manchas e mazelas tentam levar nossa esperança para o cativeiro da desilusão crônica. A casa está desarrumada, o vestido da Noiva não nos parece branco, há graves rumores de que ela não ficará pronta.

 É, porém, em momentos assim que Deus intervém. Lava as vestes do Seu povo, levanta o caído, renova o profeta, purifica a Igreja e nos dá sonhos de alegria.

 Chegará o dia, e não tarda, que seremos tomados por Jesus. Neste dia há de se dizer: Eis o Noivo, é o Senhor que conduz a Igreja. Jamais a deixou só. Como é fiel!

 E creio que todos nós  também pensaremos, extremamente admirados: Eis a Noiva, como está linda!"

 Apesar dos pesares, eu ainda acredito na Igreja do Senhor, ainda mais no Senhor da Igreja.

 Creio profundamente que ela é a noiva do Cristo descrita nas Escrituras e que o Senhor há de buscá-la para as Bodas do Cordeiro.

 

Soli Deo Gloria

Pastor Flavio Constantino


DEVOCIONAL #020 (26/08/2022)


 

Provérbios 3.13-15

“Como é feliz o homem que acha a sabedoria, o homem que obtém entendimento, pois a sabedoria é mais proveitosa do que a prata e rende mais do que o ouro. É mais preciosa do que rubis; nada do que você possa desejar se compara a ela” (Pv 3.13-15 NVI).

TEMA: "TOMANDO DECISÃO NA VIDA".


 

DEVOCIONAL #019 (25/08/2022)


 

Provérbios 3.11,12

“Meu filho, não despreze a disciplina do Senhor nem se magoe com a sua repreensão, pois o Senhor disciplina a quem ama, assim como o pai faz ao filho de quem deseja o bem” (Pv 3.11,12 NVI).

DEVOCIONAL #018 (24/08/2022)


 

Provérbios 3.9,10

“Honre o Senhor com todos os seus recursos e com os primeiros frutos de todas as suas plantações; os seus celeiros ficarão plenamente cheios, e os seus barris transbordarão de vinho” (Pv 3.9,10 NVI).