quarta-feira, 28 de setembro de 2022

MORRE O IRMÃO ANDRÉ, O CONTRABANDISTA DE DEUS.

 

Neste 27 de setembro, Deus levou para si o querido irmão André, que faleceu em sua casa em Ermelo, na Holanda, aos 94 anos. Anne Van der Bijl, conhecido mundialmente como Irmão André, foi o fundador da Portas Abertas — o mais antigo ministério internacional em favor dos cristãos perseguidos.

 

Sua ligação com essa parte específica da igreja começou em 1955, quando foi com uma delegação holandesa ao Festival Mundial da Juventude Comunista na Polônia. Lá, ele descobriu uma igreja cristã por trás da Cortina de Ferro que precisava de Bíblias desesperadamente. Ali, o Irmão André distribuiu uma mala cheia de literatura cristã, marcando assim o humilde início da Portas Abertas. A base para o começo do trabalho foi Apocalipse 3.2: “Esteja atento! Fortaleça o que resta e que estava para morrer”.

 

Em 2022, a Portas Abertas comemorou 67 anos de ministério e atua em mais de 60 países. A missão conta com mais de 1.400 colaboradores globalmente, com o propósito de apoiar e fortalecer cristãos perseguidos e igrejas em países onde há perseguição. Irmão André sempre dizia: “Nossa missão se chama Portas Abertas porque acreditamos que todas as portas estão abertas, em todo o tempo e em qualquer lugar. Eu literalmente acredito que toda porta está aberta para ir e pregar o evangelho, desde que você esteja disposto a ir e não esteja preocupado em voltar”.

 

Sua autobiografia, O Contrabandista de Deus, é um best-seller internacional. Desde 1967, mais de 10 milhões de cópias do livro já foram vendidas em mais de 40 idiomas. Em 2015, foi lançada uma edição do livro atualizada em comemoração aos 60 anos da Portas Abertas. A versão inclui um epílogo de 25 páginas destacando suas “aventuras” posteriores à primeira publicação do livro. 

 

Amor aos muçulmanos 

Estima-se que o Irmão André tenha visitado 125 países e percorrido mais de um milhão de milhas em suas viagens para pregar o evangelho e fazer amizade com pessoas em necessidade. Sua amizade e amor a Deus o levaram a reuniões privadas com líderes de vários grupos fundamentalistas. Ele foi um dos poucos líderes ocidentais que regularmente ia a esses grupos como um embaixador de Cristo. Seu livro de 2004, Força da Luz: uma tocante história da igreja pega no meio do fogo cruzado no Oriente Médio, em coautoria com Al Janssen, conta sobre seu evangelismo no Oriente Médio. Um outro livro, também em coautoria com Al Janssen, publicado em 2007, foi Cristão Secretos: o que acontece quando muçulmanos creem em Cristo.

 

O Irmão André levou a Portas Abertas a lugares onde a maioria dos cristãos não iria. Sua rede subterrânea de cristãos locais ajudou na distribuição de milhões de Bíblias a cada ano em todo o mundo, bem como no treinamento de centenas de milhares de líderes cristãos. O ministério também assiste a Igreja Perseguida por meio de ajuda socioeconômica, alfabetização, treinamento vocacional, entre outras frentes de atuação, nos países mais perigosos do mundo.

 

Dan Ole Shani, CEO (Chief Executive Officer) da Portas Abertas Internacional, disse: “O Irmão André foi casado por 59 anos com Corry, que faleceu em 23 de janeiro de 2018. Eles deixam cinco filhos e onze netos. Apreciamos as orações pela família diante da grande perda. Perda que, aliás, não foi só para eles, mas para a igreja mundial. Irmão André deixará suas marcas na história da igreja e um legado de amor e fidelidade a Deus para as próximas gerações”.

 

Marco Cruz, secretário-geral da Portas Abertas Brasil, compartilha: “O Irmão André nos deixa um exemplo de obediência ao Senhor e ao seu chamado. Foi obediente ao ponto de colocar muitas vezes em risco a sua própria vida. Ele não media esforços para seguir o chamado recebido de Deus e servir os cristãos perseguidos. Como ele mesmo dizia: Claro que é perigoso, mas é mais perigoso não obedecer a Deus. Segurança é algo que não está em jogo quando se trata da Grande Comissão”.

 

É em respeito ao desejo da família do Irmão André que só estamos publicando sobre o falecimento de nosso querido fundador nesta data.

 

Fonte: https://portasabertas.org.br/noticias/cristaos-perseguidos/morre-irmao-andre-o-contrabandista-de-deus

 


terça-feira, 27 de setembro de 2022

TEMA: "TROPOFOBIA - O MEDO DE PASSAR POR MUDANÇAS". (final)


 

25 ANOS DE CASADOS – BODAS DE PRATA


VAMOS CELEBRAR! NÓS MERECEMOS.

 

Vencemos necessidades, o medo, a carência, o adultério, a culpa, os traumas, o desprezo, o rancor...  vencemos. O AMOR VENCEU! Seguramos sorrisos, engolimos o choro, semeamos lágrimas, corremos contra o vento, subimos os montes e suportamos os vales. Aliás, o melhor da vida, é a vida compartilhada e, na partilha, passamos por montes e vales. Nos montes celebramos e, no vale, aprendemos.

 

Obrigado, amor meu, por sua parceria nestes 25 anos. Você amou minha raiz e não somente minhas folhas. Folhas vão-se com a mudança das estações mas, a raiz, permanece em todas elas.

 

Sua fé em nós dois nos salvou. Vencemos meu amor!

 

Àquele que nos uniu, a honra e a glória.

quinta-feira, 22 de setembro de 2022

SORTE OU AZAR?


 

Esta é uma questão que, à primeira vista, parece elementar, mas não é. E, para o total desconforto de alguns cristãos, o problema agrava-se quando nos deparamos com fatos nitidamente comprobatórios de que há pessoas que parecem receber uma “ajudinha extra” em tudo que fazem, enquanto outros, ao contrário, nada do que fazem dá certo. Há histórias estranhíssimas apontando esta dolorosa realidade; histórias de pessoas que nada fizeram e nada fazem para serem melhores e, no entanto, conseguem sempre o mais difícil. Em contrapartida temos trabalhadores que se esforçam até o seu limite e não levam nada. Eu não estou falando aqui de probabilidades, mas de fatos avassaladoramente inexplicáveis e inexoráveis.

É indiscutível dizer que existem algumas mostragens nos episódios da vida que nos deixam sem qualquer explicação, mesmo que tentemos explicar. Pior: na tentativa de responder à questão em tela, o fazemos de maneira simplória. Na realidade, a intenção das explicações simplistas é quase sempre fechar o assunto acerca do qual não compreendemos e contra o qual nos sentimos impotentes.

É por essas e outras explicações anestésicas, mas nada racionais, que acabamos sofrendo do mal de Asafe, o líder dos cantores de Davi.

O cantor de Israel, ao sair um dia do seu casulo existencial sagrado, enfrentou a pior crise da sua vida. Para ele era algo asfixiante, esmagador: viu que os “ímpios” (os não religiosos) estavam levando a melhor ao sabor de uma vida sem Deus. Ele que apostara tudo em Deus parecia menos privilegiados. O que estava acontecendo?

Na verdade, quando perguntamos se há os que têm mais sorte na vida, queremos de fato fazer uma outra pergunta: por que o ímpio parece estar levando a melhor?
Jó e Eclesiastes são os únicos livros – em toda a Bíblia Sagrada – a ressaltarem uma maneira contrária de pensar a vida do justo e do ímpio.

Jó, descrito na “torá oral evangélica” como paradigma da submissão, da suportabilidade, homem de comportamento ilibado em relação à dor, é a figura mais rebelde do Antigo Testamento. É rebelde na sua maneira de tratar as interpretações acerca do sofrimento do justo: reclama, combate, insurge-se, repele qualquer explicação da ortodoxia religiosa, não aceita a dor, reivindica justiça, chama Deus a um tribunal para uma disputa justa...

A maneira tradicional de pensar o sofrimento de Jó é oposta a tudo o que está desvelado nas Escrituras Sagradas. Nossos intérpretes – parece – pegaram o “bonde andando” e agora não sabem para onde vão e nem têm como pará-lo. Jó, portanto, é a história de dor, angústia, sofrimento que torna o homem mais sagrado alguém de carne e osso. Além do mais, para Deus vale mais o tratamento do nosso caráter do que o nosso bem estar.

O autor de Eclesiastes, por sua vez, abre mão do ortodoxismo do seu tempo e se arremete contra a dicotomia determinista, que coloca o ímpio sempre em situação de desvantagem na história. O “pregador” reverbera dizendo que nem sempre isso é realidade:

“Sim eu sei que dizem: ‘Se você temer a Deus, tudo lhe correrá bem; mas não correrá bem para os maus. A vida deles passa como a sombra: morrerão jovens porque não temem a Deus.’ Mas isso não tem sentido. Vejam o que acontece no mundo: muitas vezes os bons são castigados, e não os maus; e os maus são premiados, e não os bons.”

Acompanhe o meu raciocínio e descubra a gangorra da vida entre a sorte e o azar:

Fábio amava Alcione. Mas Alcione nada queria com Fábio – que azar de Fábio. Depois de tantas tentativas, Fábio consegue convencer Alcione de se casar com ele – que sorte de Fábio. Após o casamento, o casal descobre que não pode ter filhos – que azar de Fábio e Alcione. Fábio e Alcione conseguem tratamento e o esperado filho nasce – que sorte. Após o nascimento da bela criança, Alcione morre – que azar para Fábio. O menino Filipe cresce e quando completa a idade de 18 anos o pai lhe presenteia com um belo cavalo puro sangue – que sorte. A primeira cavalgada com o belo cavalo Filipe cai e quebra a perna – que azar. Dias depois, chega uma convocação do exército para o jovem Filipe, para que este se apresente com urgência a fim de ser enviado para o campo de guerra; Filipe não pode ir pelo fato de ter sua perna quebrada – que sorte. Filipe...

Como o leitor pode notar, eu poderia continuar esta história interminável. No entanto, com ela eu só quero destacar a alternância que há entre a sorte e o azar e como os dois elementos se ajustam na existência humana, revelando-nos que não há determinismo em nenhum desses elementos.

Do exposto, para amenizar a dor do leitor, deixo esta palavra de consolação:

A maioria dos homens que conseguiram se tornar os mais ricos do mundo veio
das classes menos favorecidas.


Soli Deo Gloria

Pastor Flavio Constantino

MORRE O IRMÃO ANDRÉ, O CONTRABANDISTA DE DEUS.

  Neste 27 de setembro, Deus levou para si o querido irmão André, que faleceu em sua casa em Ermelo, na Holanda, aos 94 anos. Anne Van der B...