domingo, 12 de agosto de 2018

FELIZ DIA DOS PAIS, MEU VELHO PAI.



Hoje o dia é todo dele, porém, no dia em que celebro o seu dia confesso que preciso de um pai. E não me envergonho. Não me sinto mais fraco, menos homem, nem mesmo imaturo. Eu preciso de um pai. Não se trata de fugir das minhas responsabilidades, ou desejar uma proteção que me poupe do sofrimento. Também não tenho intenção de postergar minha infância, e muito menos encontrar alguém que facilite meu caminho. Mas preciso de um pai. Devo admitir. Não quero uma mão sobre minha cabeça relevando meus erros e me livrando das conseqüências dos meus tropeços. Não é que esteja em busca de atalhos para o êxito, ou que me possibilite desfrutar o que não conquistei, ou de fato viver do trabalho duro de outras mãos. Mas preciso de um pai. Não nego. Preciso de um pai. Não quero alguém que decida por mim, ou siga meus passos limpando minhas sujeiras. Não se trata de uma recusa em enfrentar a vida ou assumir minha autonomia. Mas preciso de um pai. Apenas isso, preciso de um pai.
Eu preciso de um pai. Preciso de alguém que já viveu mais do que eu. Preciso de alguém que já sofreu mais do que eu. Preciso de alguém que sabe mais do que eu. Preciso de alguém que cresceu mais do que eu. Preciso de alguém que já desfrutou a vida mais do que eu. Preciso de alguém que já venceu mais do que eu. Preciso de alguém que já descobriu mais coisas do que eu. Preciso de alguém que já pecou mais do que eu. Preciso de alguém que já experimentou perdão mais do que eu. Preciso de alguém que já amou mais do que eu. Preciso de alguém que já começou de novo mais vezes do que eu. Preciso de alguém que já levou mais tombos do que eu. Preciso de alguém que já sentiu mais vergonha de si mesmo do que eu de mim mesmo. Preciso de alguém que já foi mais rejeitado do que eu. Preciso de alguém que chorou mais do que eu. Preciso de alguém que já andou mais longe do que eu. Preciso de alguém com mais cicatrizes do que eu. Preciso de alguém que conheça a Deus mais do que eu. Preciso de alguém que conheça os homens mais do que eu. Preciso de alguém que ame a Deus e os homens mais do que eu. Preciso de alguém que já superou mais desafios do que eu. Preciso de alguém que já tenha crescido mais do que eu. Preciso de um pai. Apenas isso. Um pai. Preciso de um pai.
Não sou bicho. Sou gente. Não nasci determinado geneticamente. Não tenho pretensão de começar do zero, como se não houvesse humano antes de mim. Não me aventuro a desbravar os caminhos da vida sem mapa, bússola e facão. Não que eu seja covarde, mas não sou arrogante. Não que eu seja imaturo, mas não sou prepotente. Não que eu seja fraco, mas não sou onipotente. Não que eu seja indolente, mas não sou tolo. Por isso, preciso de um pai. Não alguém para me levar no colo, mas para compartilhar comigo os caminhos que já descobriu. Não para sofrer por mim, mas para repartir comigo suas dores e me mostrar que sempre vale a pena. Não para me conduzir por trilhas pisadas e repisadas, mas para me encorajar a ir mais adiante, em outras direções, abrindo novas picadas, descobrindo outros horizontes, águas mais geladas, ninhos mais elevados. É por isso que preciso de um pai. Não para reprisar uma história, mas para prolongar uma biografia: não a dele, nem a minha, a nossa, nesta aventura da raça humana, em que um é extensão do outro, parte do outro, um com o outro, e onde ninguém é completo, ninguém é tudo, ninguém é definitivo. Preciso de um pai. Preciso de passado, para ampliar o futuro.
Preciso de um pai. Só isso. Não preciso de um herói. Não preciso de um santo imaculado. Não preciso de um professor. Não preciso de um patrão. Não preciso de um coleguinha. Preciso de um pai. Apenas isso. Preciso de um pai. Apenas alguém de cabelos brancos que me olhe com carinho e tenha paciência comigo. Alguém que acredite em mim e não desista de mim. Alguém que me ensine o que eu não sei, e que aprenda comigo. Alguém que dê risada dos meus desatinos lembrando dos seus. Alguém que fale com a alma e também saiba calar. Preciso de um pai. Apenas alguém para caminhar comigo.

FELIZ DIA DOS PAIS MEU VELHO PAI!!!

De seu sempre filho,
Flavio Ferreira Constantino.

Um comentário:

TRANSFORMAÇÃO EXIGE DECISÃO.