terça-feira, 31 de maio de 2011

Participe agora do abaixo-assinado


O pastor Silas Malafaia lançou um abaixo-assinado contra o PL 122 e o Kit Gay que o Ministério da Educação e Cultura (Mec) pretende distribuir nas escolas públicas do Brasil. O objetivo é coletar um milhão de assinaturas até o dia 1º de junho, quando acontecerá um manifesto pacífico em frente ao Congresso Nacional, em Brasília, às 15h. O abaixo-assinado será protocolado no Senado.

Clique no link abaixo e assine agora mesmo o abaixo-assinado eletronicamente. Basta preencher os campos Nome, E-mail (mantido guardado num local privado e seguro e utilizado apenas para validar sua assinatura) e Cidade. Em seguida será enviado para o e-mail cadastrado uma mensagem com um link de confirmação. Só clicar neste link e pronto!

http://abaixoassinado.vitoriaemcristo.org/_gutenweb/_site/gw-inicial/


terça-feira, 24 de maio de 2011

Como Fazer da Sua Igreja um Império - Por Paulo C. S. Santos



1. Endureça o coração. Seja indiferente com apelos de mães, padres, bispos, missionários e pastores em crise ou dificuldades. O sofrimento deles não é problema seu.

2. Seja obstinado. Não deixe ministros, profetas, amigos, colegas, ou qualquer outro convencê-lo a desistir do seu império.

3. Priorize as coisas. Entre coisas e pessoas fique com as coisas.

4. Valorize os números. Não importa quem saiu ou quem entrou, o importante é o saldo.

5. Fale as massas. Não perca tempo com indivíduos, fale a auditórios, trabalhe no atacado.

6. Ignore críticas. Mantenha-se surdo quando for criticado, faça ouvido de mercador, rotule os críticos como invejosos.

7. Esconda vulnerabilidades. Convença a todos que tanto você como sua instituiçao não tem problemas, convença aos outros você não se irrita, que não perde a paciência e que tem tudo sobre controle.

8. Ridicularize os reflexivos. Faça pouco caso de intelectuais, pessoas que estudam e os que são capazes de análises profundas, de modo geral eles são pouco influentes com as massas.

9. Dissimule suas intenções. Nunca, nunca, nunca mesmo deixe os outros descobrirem as suas verdadeiras intenções de formar o seu império eclesiástico. A sua carteira de clientes você chamará de ovelhas, a sua mão de obra barata, você chamará de voluntários, os seus empregados você denominará vocacionados. O que importa é a aparência.

10. Domine a linguagem religiosa. Conheça, use e abuse da linguagem religiosa e dos jargões religiosos.

11. Ofereça entretenimento. Mantenha o povo devidamente entretido com programas que enchem os seus olhos e impressionam os seus sentidos. A música ajuda demais.

12. Mantenha o controle. Sob hipótese alguma permita que o poder que você exerce seja dividido com qualquer pessoa. Não participe de associações, alianças ou entidades que você não possa dar a última palavra. Quanto menos pessoas acessarem os balanços menos problema você terá na sua escalada de poder.

13. Cerque-se de limitados. Observe sua equipe, cuide para que somente você brilhe, verifique que a sua equipe é composta de pessoas medíocres e que nunca o ameaçarão.

14. Invista na estrutura. As paredes e os equipamentos valem mais do que os valores, o conforto impressiona mais do que o cuidado. Entre estrutura e pastoreio as pessoas escolherão estrutura.

15. Atente-se para as necessidades. Observe as necessidades do povo e então ofereça o que eles querem, mesmo que você não seja capaz de entregar ofereça. terá se passado muito tempo entre o momento em que eles aderirem e o dia em que descobrirem que você não tem o produto, nesse período o seu império estará consolidado.

16. Seja místico. O misticismo é vital para atrair pessoas desesperadas e inseguras, ele é capaz de escravizar e cegar. Depois de anos de escravidão no misticismo a libertação é quase improvável e às vezes impossível.

17. Aparente ética. Faça com que todos acreditem que você é uma ilha de ética em um mar de iniqüidade. Abuse do discurso ético, mesmo que suas práticas não sejam condizentes. Discursos éticos impressionam e são fáceis de serem feitos.

18. Ria e chore. O sorriso convence as pessoas que você é simpático, o chore convence que você é sensível. Você não deve ser nada disso, contudo as pessoas devem pensar que é.

19. Opte pelos ricos. Não adiante você ter muita gente sobre seu controle se essas pessoas não tem dinheiro no bolso.

20. Evite aproximações. Mantenha uma distancia segura entre você e seus liderados, suas relações devem ser profissionais. Lembre-se imperadores não tem amigos, apenas súditos.

21. O mais importante. Manipule, a massa gosta e não se importa, mesmo que você um dia seja descoberto ainda existirão muitos a sua volta, o suficiente para manter a igreja-império por muitos anos e ainda garantir que seu filho, ou genro herde esse empreendimento.


É possível que agindo assim você terá em meia década algumas centenas ou mesmo milhares de prosélitos, contribuintes alem do mais importante pessoas que não se cansarão de massagear seu ego, afinal é para isso que servem os Impérios, ainda que os chamemos de igrejas.


Li no blog: www.genizahvirtual.com

Fonte: Revista Ultimato

segunda-feira, 23 de maio de 2011

Como nos Tempos da Inquisição


Após defender o Estado laico e o reconhecimento jurídico da união homoafetiva em entrevista a CartaCapital no fim de abril , o pastor Ricardo Gondim, líder da Igreja Betesda e mestre em teologia pela Universidade Metodista, virou alvo de ferrenhos ataques de grupos evangélicos na internet. Um fiel chegou a dizer, pelo Twitter, que se pudesse “arrancaria a cabeça” do pastor herege. “É como se vivêssemos nos tempos da Inquisição”, comenta Gondim, que já previa uma forte reação de setores do chamado mainstream evangélico, os movimentos neopentecostais com forte apelo midiático. Surpreendeu-se, no entanto, ao ser informado que, graças às declarações feitas à revista, não poderia mais escrever para uma publicação evangélica na qual assina colunas de opinião há 20 anos.

“Fui devidamente alertado pelo reverendo Elben Lenz Cesar de que meus posicionamentos expostos para a CartaCapital trariam ainda maior tensão para a revista Ultimato”, escreveu Gondim em seu site pessoal, na sexta-feira 20. “Respeito o corpo editorial da Ultimato por não se sentir confortável com a minha posição sobre os direitos civis dos homossexuais. Todavia, reafirmo minhas palavras: em um Estado laico, a lei não pode marginalizar, excluir ou distinguir como devassos, promíscuos ou pecadores, homens e mulheres que se declaram homoafetivos e buscam constituir relacionamentos estáveis. Minhas convicções teológicas ou pessoais não podem intervir no ordenamento das leis.”

Por telefone, o pastor explicou as razões expostas pela revista evangélica para “descontinuar” a sua coluna, falou sobre as ofensas que sofreu na internet e não demonstrou arrependimento ter falado à CartaCapital em abril. “A entrevista foi excelente para distinguir algumas coisas. Nem todos os evangélicos pensam como esses grupos midiáticos que confundem preceitos religiosos com ordenamento jurídico e querem impor sua vontade a todos.”

CartaCapital: Qual foi a justificativa dada pela revista Ultimato para descontinuar a sua coluna na publicação?
Ricardo Gondim:
Eu escrevi para a Ultimato por 20 anos. Trata-se de uma publicação evangélica bimensal, na qual eu tinha total liberdade para escrever sobre o que quisesse. Não falava apenas da doutrina, mas de muitos assuntos relacionados ao cotidiano evangélico. E nunca sofri qualquer tipo de censura. Mas, agora, eles entenderam que as minhas declarações a CartaCapital eram incompatíveis com o que a Ultimato defende e expuseram três argumentos para justificar a decisão. Eu não concordo com essas teses e, para dar uma satisfação aos leitores, publiquei uma carta de despedida no meu site (www.ricardogondim.com.br).

CC: A defesa dos direitos civis de homossexuais foi um dos aspectos criticados pelo corpo editorial da revista?
RG: Sim. Eles entendem que o apoio à união civil de homossexuais abriria um precedente dentro das igrejas evangélicas para a legitimação do ato em si, a homossexualidade. Tentei explicar que uma coisa é teologia, outra é o ordenamento das leis. Num Estado é laico, não podemos impor preceitos religiosos à toda a sociedade. Uma coisa não transborda para a outra. Dei como exemplo o fato de a Igreja católica viver muito bem em países que reconhecem juridicamente o divórcio, embora ela condene a prática e se recuse a casar pessoas divorciadas. Eu não fiz uma defesa da homossexualidade, e sim dos direitos dos homossexuais. O direito deve premiar a todos. Num Estado democrático, até mesmo os assassinos têm direitos. Não é porque eles cometeram um crime que possam ser torturados ou agredidos, por exemplo. As igrejas podem ter uma posição contrária à homossexualidade, mas não podem confundir seus preceitos com o ordenamento jurídico do país ou tentar impor sua vontade. Muitos disseram que o Supremo Tribunal Federal tripudiou sobre as igrejas evangélicas ao reconhecer a união estável homoafetiva. Nada disso, o STF estava apenas garantindo os direitos de um segmento da sociedade. Essa é sua função.

CC: Quais foram os outros aspectos criticados?
RG:
Eles também criticaram uma passagem da entrevista na qual eu contesto a visão de um Deus títere, controlador da história e da liberdade humana, como se tudo que acontecesse de bom ou ruim fosse por vontade divina e ou tivesse algum significado maior. E apresentaram um argumento risível: o de que a minha tese coloca em xeque a ideia de um Deus soberano. Claro que sim! Deus soberano é uma visão construída na Idade Média, e serviu muito aos interesses de nobres e pessoas do clero que, para justificar seu poder, se colocavam como representantes da vontade divina na terra. Só que essa visão é incompatível com o mundo de hoje. O Estado é laico. As pessoas guiam os seus destinos. Deus não pode ser culpado por uma guerra, por exemplo. Não vejo nisso nenhuma expressão da vontade divina, nem como punição.

CC: O fato de o senhor ter criticado a expansão do movimento evangélico no País também foi destacada?
RG:
Sim. Eu fiz um contraponto à tese de que o Brasil ficará melhor com o crescimento da comunidade evangélica. Não acho que é bem assim. Critica-se muito a Europa pelo fato de as igrejas de lá estarem vazias, mas eu não vejo isso como um sinal de decadência. Ao contrário, igreja vazia pode ser sinal do cumprimento de preceitos do protestantismo se os cidadãos estão mais engajados com suas comunidades, dedicados às suas famílias, preocupados com os direitos humanos, vivendo os preceitos do cristianismo no cotidiano. Eu critico essa visão infantilizadora da vida, na qual um evangélico precisa da igreja para tudo e Deus é responsável por tudo o que acontece.

CC: O senhor se arrepende de ter concedido aquela entrevista à CartaCapital?
RG:
De maneira alguma. O repórter Gerson Freitas Jr. até conversou comigo, preocupado com a reação que as minhas declarações poderia causar na comunidade evangélica. Mas a entrevista foi excelente para distinguir algumas coisas. Nem todos os evangélicos pensam como esses grupos midiáticos que confundem preceitos religiosos com ordenamento jurídico e querem impor sua vontade a todos. Eu já esperava alguma reação, só não sabia que viria com tanta virulência. Um evangélico chegou a dizer, pelo Twitter, que se pudesse arrancaria a minha cabeça. É como se vivêssemos nos tempos da Inquisição. Recebi inúmeros e-mails com ofensas e mensagens de ódio. Não sei precisar quantos, porque fui deletando na medida em que chegavam à caixa postal. Também surgiram centenas de textos me satanizando em blogs, sites e redes sociais.

CC: E entre os fiéis da sua igreja? Houve algum constrangimento?
RG:
Alguns, influenciados pelo bafafá na internet, vieram me questionar. Então fiz questão de dar uma satisfação à minha comunidade. Após discursar, acabei aplaudido de pé, fiquei até meio constrangido diante daquela manifestação de apoio.

Fonte: http://www.cartacapital.com.br/


quinta-feira, 19 de maio de 2011

Vida do Pastor John Wesley vira filme


Longa será lançado oficialmente no Brasil no dia 21 maio

A Graça Filmes está lançando mais um filme. Wesley – Um coração transformado pode mudar o mundo é um drama de fé e renovação baseado no diário real de John Wesley, fundador do movimento metodista, ao lado de seu irmão, o compositor musical Charles Wesley.

Com bastante aventura, romance e desafios, o longa chegou a ser exibido nos cinemas dos Estados Unidos, e foi premiado por seus efeitos especiais, fotografia e figurinos (do século XVIII): em 2010, ganhou os concursos Crown (nas categorias Drama e Fotografia), Ava (melhor trailer) e Fexy (na categoria Efeitos Especiais).

O filme será lançado oficialmente no Brasil no dia 21 de maio, às 9h, no Ginásio do Ibirapuera (SP), durante o evento Celebração do Coração Aquecido, ocasião em que a família wesleyana estará reunida para celebrar a experiência que transformou a vida de John Wesley. Mais informações sobre o filme estão disponíveis no site http://www.wesleyofilme.com.br.

SEMANA WESLEYANA

Wesley, a Bíblia e o povo. Este será o tema da Semana Wesleyana 2011, na Faculdade de Teologia da Igreja Metodista. A tradicional semana de estudos celebra a experiência do Coração Aquecido de John Wesley e irá refletir sobre a importância do estudo da Bíblia no cotidiano das pessoas.

O evento acontece entre os dias 23 e 28 de maio, na Faculdade de Teologia em São Bernardo do Campo-SP. Esta edição conta com a participação do conferencista Dr. Howard Snyder. Ele trabalhou de 1968 até 1975, como pastor e professor de teologia da Igreja Metodista Livre em São Paulo-SP e hoje atua como professor de estudos wesleyanos no Seminário Tyndale em Toronto, Ontario, Canadá. Snyder é também editor da revista Free Methodist Historical Society e escritor - tem 18 livros publicados.

Fonte: www.adalagoas.com.br

terça-feira, 17 de maio de 2011

PMs e Bombeiros Gays já Podem sair do Armário


Mais duas cores poderão tingir o arco-íris, símbolo do movimento gay, na 16ª Parada do Orgulho LGBT, em outubro, na Praia de Copacabana: o azul-escuro e o cáqui. O governador Sérgio Cabral liberou PMs e bombeiros homossexuais para participarem do desfile junto aos milhares de gays, lésbicas, travestis e transexuais, inclusive usando fardas, patrulhas das polícias Civil e Militar e carro do Corpo de Bombeiros. A autorização foi dada ontem no lançamento da campanha Rio sem Homofobia.

“Da minha parte, estão todos liberados para sair na próxima passeata. Podem botar o carro do Corpo de Bombeiros, das polícias. Nenhum problema. O amor não deve ser razão de nenhum tipo de discriminação”, discursou o governador, que recebeu centenas de representantes do movimento gay no Palácio Guanabara.

A iniciativa dividiu opiniões. O coronel da Polícia Militar Paulo Ricardo Paúl, fundador do Grupo dos Barbonos, que reivindica melhorias para a corporação, disse que Cabral “pagou um mico sem tamanho”.

“Ele desconhece profundamente a legislação ou está emocionalmente desequilibrado. Temos impedimento legal para participarmos de manifestações armados, fardados e com viaturas. Já pensou um caveirão na parada com todo mundo dançando em volta?”,
comentou Paúl.

PRECONCEITO QUE FREIA

O coronel não vê problema em militares gays participarem de desfiles do movimento LGBT, desde que em trajes civis e nas folgas, e afirmou que o governador deveria se ocupar mais com as reivindicações das duas categorias.

O presidente do Grupo Arco-Íris, Julio Moreira, acredita ser importante que o chefe do Executivo estadual incentive o combate à homofobia, ainda mais em duas corporações onde muitos não saíram do armário por causa do forte preconceito.

“O governador agiu em prol da cidadania. Mas acho difícil que os militares consigam ir fardados na parada. Até lá vamos ter que aprimorar os debates”, prevê Julio.

Travestis terão crachá com o nome feminino no serviço público estadual

A campanha Rio sem Homofobia ganha as ruas hoje, Dia Mundial de Combate à Homofobia. Além da grande publicidade — orçada em R$ 4 milhões, como antecipou ontem o colunista Bruno Astuto, de O DIA —, foi lançado Caderno de Ações e Metas com 125 iniciativas a serem executadas em diversas áreas, como saúde e segurança.

A rede de atendimento jurídico e psicossocial a homossexuais, que ocorre nos Centros de Referência e Proteção da Cidadania LGBT na Central e em Friburgo, será ampliada. Mês que vem, serão inaugurados dois em Caxias e Campo Grande.

Dia 28, Dia do Orgulho Gay, será assinado decreto que reconhece o uso de nomes femininos por travestis e transexuais nas repartições públicas estaduais. Hoje o Disque-Cidadania LGBT (0800-0234567) passa a atender 24 horas. Informações no site.

Polo de saúde para LGBTs na Z. Oeste e comissão para receber denúncias

A campanha prevê também a criação de polos de Saúde Integral a LGBTs vítimas de discriminação e/ou violência homofóbicas na Zona Oeste e no Centro. O primeiro será aberto no Hospital Pedro II, em Santa Cruz. O serviço irá funcionar 24 horas.

Para garantir a punição para práticas preconceituosas contra gays, haverá uma comissão vigiando o cumprimento da Lei 3.406/2000, que penaliza estabelecimentos comerciais que discriminem clientes devido à sua orientação sexual. O grupo receberá denúncias e vai acompanhar sua apuração.

Orientações para a polícia

Em dezembro, o Ministério da Justiça lançou a cartilha da Atuação Policial na Proteção dos Direitos Humanos de Pessoa em Situação de Vulnerabilidade, a ser distribuída a todas as polícias do País, mas que ainda não chegou ao Rio. Nela, há orientação de como agir com o público LGBT.

A abordagem de travestis e mulheres e homens transexuais segue critérios diferentes. O policial deve respeitar a identificação da pessoa conforme a vestimenta e usar termos femininos como "ela", "dela", "senhora", se a pessoa estiver vestida como mulher, e vice-versa.

“NINGUÉM QUER TER UM FILHO HOMOSSEXUAL”, DIZ EDMUNDO

O ex-jogador de futebol Edmundo causou polêmica ontem depois da divulgação de entrevista concedida ao jornal ‘O Estado de S. Paulo’. Ao ser questionado sobre a opção sexual de seu filho Alexandre, fruto de breve relacionamento com Cristina Mortágua, o atual comentarista de esporte da Band opinou que “ninguém quer ter um filho homossexual”.

“Ele (Alexandre) nunca me falou: "Pai, sou gay". Mas claro que não sou idiota, ele tem aparência total. E vi a mãe dele falando na TV. Mas não muda nada. Respeito e admiro igualmente. Tenho muitos amigos gays. Mas é claro que quando é com o outro é mais fácil, mais legal. Quando é na nossa família fica mais difícil. Por mais que não seja preconceituoso, ninguém quer ter um filho homossexual, até pelo preconceito que ele vai sofrer. Respeito a opção sexual, mas quero que ele tenha um comportamento íntegro na sociedade”, disse Edmundo na entrevista. “Ele pode ser gay, mas que tenha uma postura. Já viu quando você está numa festa e chega uma bicha querendo aparecer? Exagero não é legal”, completou.

O ex-jogador explicou como engravidou a ex-modelo: “Sempre gostei pra caramba de mulher. Até mais do que deveria. Mas quando maria-chuteira se aproveitava de mim, eu me aproveitava dela também. Acho até que, de verdade, tive pouco filho fora do casamento. Eu era recém-casado com minha ex-mulher e, durante uma noitada, engravidei a mãe do Alexandre. Não tivemos um relacionamento”. Em fevereiro, Alexandre prestou queixa de agressão na 16ª DP (Barra) contra Mortágua, que acabou presa por suspeita de desacato, resistência e injúria, pois agrediu uma delegada.

O ex-craque se descreveu como um “homem puro” e “ingênuo” e contou que seu destempero em campo era reflexo de problemas familiares: seu irmão, que foi assassinado, era viciado em cocaína.






sexta-feira, 13 de maio de 2011

Uma Noite se Abate Sobre o Brasil - Por Pr. Luiz Fernando


No dia, 05/05/2011 o Supremo Tribunal reconheceu por unanimidade a união entre homossexuais. Essa reivindicação era antiga, mas ganhou força devido ao apoio maciço, das diversas mídias, dos formadores de opinião e do governo. Este governo injetou dinheiro publico nesse segmento social, sem consultar os contribuintes, haja vista, ter sido o primeiro país no mundo a patrocinar uma parada gay. O atual governo vem tentando impor, através da educação pública, a aceitação tácita do homossexualismo, com a desculpa que precisa acabar com discriminação sexual. Entra em áreas que pertencem às famílias. Ensinar o certo e o errado é dever dos pais e o estado, no máximo, corrige os desvios. O STF legaliza a união da perversidade com a crueldade. Perverso porque legaliza a imoralidade de muitos dentre poucos, ou seja, 2% da população. Dá direitos a uma minoria que tem como fundamento somente o desejo e nunca uma constituição. Desejos particulares, não se legalizam, mas se limitam. Homossexualidade é desejo de contato físico com outro do mesmo sexo, coisa que deve ser praticada dentro de quatro paredes e nunca resguardada por leis. Nas palavras do Rev. Wayne Perriman “O ato sexual é meramente um ato físico que é na maior parte das vezes expresso na privacidade do lar. Portanto, esse ato não deve ficar sob a proteção de leis de direitos civis. Seu devido lugar de proteção são as leis de privacidade, não leis de direitos civis. As leis deveriam ser criadas para desestimular condutas criminosas, não apoiar condutas sexuais privadas”. Se assim não for, necessário se faz criar leis que privilegiem pedófilos, tarados etc., pois, são desejos do mesmo jeito. A união de centenas de pedófilos somente aumenta a pedofilia, nunca a limita. Dizer que o amor foi valorizado e respeitado com esta aprovação do STF é no mínimo infantil. Amor não é sexo e sexo não é amor. Amor, na maioria das vezes não é expresso através de sexo. Pais amam seus filhos, mas não mantêm relações sexuais com eles. Soldados morrem por seus companheiros, mas não têm relações sexuais com os mesmos.

Crueldade porque encarcerará milhares de seres humanos que poderiam lutar contra esses desejos e agora são desestimulados porque gozam da proteção do estado. Temos a triste tendência de achar que aquilo que é legal é moral. Crueldade porque impinge sobre a sociedade um comportamento que a maioria esmagadora não aceita e nem deseja. Usou-se de um subterfúgio para se aprovar uma lei que deveria ter sido discutida publicamente porque implica em usos e costumes. Nao é uso e costume da maioria a prática homossexual. Não se usa lei para impor comportamento de minorias. Vale a máxima: “A necessidade de poucos não pode prevalecer sobre a de muitos”. Todo ser humano independentemente de sua opção sexual deve ser respeitado e amado, mas não implica em concordância plena com tudo o que é praticado.

A sensação que tive, em meu espírito, é que o país mergulha em uma noite de densas trevas. Pareceu-me que um manto negro foi colocado sobre o país. Noite que não passará rapidamente. Minha percepção é que a sociedade ficou enfraquecida em sua fibra moral e que muitos se sentirão impotentes e desestimulados para continuar.

A igreja no Brasil sofre um duro golpe que será difícil de ser absorvido. Vejo-a no corner da vida tentando se reabilitar, cambaleante e atordoada buscando ar para respirar como em uma luta de boxe. Foi-lhe dada oportunidade de fazer valer os princípios de Deus para o homem, mas ela sucumbiu aos apelos de Mamon, da imoralidade e por fim se vendeu ao mundo. Descaracterizou-se completamente fazendo-se parecer com o mundo e agora não tem forças para mudar e não encontra motivos para voltar. Creio que ela foi longe demais e colherá com lágrimas os frutos dessa lassidão. Sua mensagem tem se tornado em irrelevância e seu valor seriamente questionado. Trancafiou-se dentro de suas paredes, achando que somente a adoração era a resposta às grandes questões da vida. Esqueceu-se de anunciar o puro evangelho transformador. Esqueceu-se da humildade e aceitou as honras do mundo e os prêmios dos tolos. Gerou pequenos monstros gospel, chamados de adoradores, levitas, paipóstolos, patriarcas, barbies e kens gospel etc. que comercializam o sagrado, deturpam o evangelho e recebem toda glória que não lhes é devida. Entrou em um sono letárgico e acreditando que sonhava os sonhos de Deus e em seu estupor não percebeu que vivia um grande pesadelo. Creio que ainda não acordou para a grande calamidade que dinamitou suas portas e adentrou em sua intimidade. Agora desnuda acordará em meio a esta noite e tateando tentará encontrar ponto de apoio.

Percebo o mundo espiritual em reboliço e ao mesmo tempo a igreja inócua e indiferente a tudo isso. Por sermos mais de quarenta milhões de evangélicos no país o percentual que levantou a bandeira de alerta foi ínfimo. Quem detinha o poder da mídia se omitiu vergonhosamente. Em nome de uma neutralidade idiotia deixou de cumprir seu papel profético em tempos de angústia. Colocar tranca na porta neste momento é inócuo. Resta-nos o sabor da derrota neste round. Resta-nos a triste constatação que falhamos. Restam-nos o choro e o arrependimento. Tomará que isso ocorra em tempo oportuno.

Ainda vale a Palavra de Deus expressa em II Crônicas 7:14 “E se o meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar, e orar, e buscar a minha face e se converter dos seus maus caminhos, então eu ouvirei dos céus, e perdoarei os seus pecados, e sararei a sua terra”.

Embora o texto seja aplicado a Israel em uma condição específica, vale seu princípio para todos nós.

Quem o Senhor tenha misericórdia de nós.

Soli Deo Gloria

Autor: Pr. Luiz Fernando
Fonte: www.ministerioforcaparaviver.blogspot.com

terça-feira, 10 de maio de 2011

Membros de Uma Igreja Protestante Clandestina são Detidos na China


Ao menos 15 membros de uma igreja protestante clandestina da China foram detidos quando tentavam celebrar um culto ao ar livre, no último incidente de uma série na qual a polícia já deteve mais de 200 de seus fiéis em menos de um mês, informou nesta segunda-feira a imprensa local.

Os membros da igreja de Shouwang, que tem cerca de 1.000 seguidores, estavam em uma praça de uma área comercial de Pequim, na qual havia uma forte presença policial como a cada domingo desde o dia 10 de abril, quando foram detidos ali 169 fiéis, informou o jornal independente "South China Morning Post".

As autoridades chinesas estão há semanas evitando que esta igreja oficie serviços religiosos em público.

Alguns dos cristãos detidos em algumas ocasiões anteriores assinalaram que a Polícia lhes permitiu orar e cantar enquanto estavam detidos, mas também lhes pressionou para que assinassem declarações nas quais prometiam não voltar a celebrar um culto na rua.

A igreja perdeu o lugar onde realizava seus ritos quando as autoridades locais forçaram seu senhorio a despejá-los e impediram que se mudassem para um escritório comprado pela igreja em 2009.

A China é um Estado aconfessional que reconhece religiões, entre elas a cristã, mas só em grupos oficiais controladas pelo Partido Comunista da China (PCCh), no poder desde 1949.


Fonte: www.1.folha.uol.com.br

sábado, 7 de maio de 2011

Pastor Silas Malafaia Dispara Contra STF e Diz Que Fará Protesto Contra União Gay


O pastor Silas Malafaia, em entrevista exclusiva ao SRZD na manhã desta sexta-feira, se mostrou indignado com o Supremo Tribunal Federal (STF) pela aprovação da união entre homossexuais. Segundo ele, o STF não respeitou e ignorou a Constituição Federal. "Homem e mulher, a lei define gênero. Para aprovar isso (a união entre homossexuais) teria que mudar a Constituição. O STF rasgou a Constituição. Ficamos a mercê da opinião pública", disse ele.

Em primeira mão, o pastor revelou que fará um grande protesto contra a união gay, dia 29 de maio, às 15h, no Congresso Nacional, em Brasília. "Vamos fazer um barulho pesado em frente ao Congresso. Convidamos qualquer um que seja contra essa vergonha a vir conosco: padre, deputado, pastor, todo mundo. Será um barulhão, mas uma ordem pacífica, claro", acrescentou Malafaia.

Em tom de revolta, o vice-presidente do Conselho de Pastores do Brasil disparou: "Uma vergonha o STF ser igual a um partido político. Aprovaram aquilo lá com argumentos frágeis, uma reflexão fria e medíocre. Nenhuma nação do mundo transgride um conceito constitucional para agradar a um segmento da sociedade".

O pastor teme ainda que essa aprovação seja uma porta aberta para outra questão, a aprovação da PL 122 (Projeto de Lei), que criminaliza a homofobia. "Aprovando esta vergonha, os senhores estão abrindo as portas para que a PL 122, que é a lei mais esdrúxula que já vi na vida, seja aprovada no Congresso, favorecendo homossexuais, criminalizando a opinião e os heterossexuais", afirmou o pastor.

Fonte: www.sidneyrezende.com



sexta-feira, 6 de maio de 2011

STF Reconhece União Estável Entre Pessoas do Mesmo Sexo


Brasília - A união homoafetiva foi reconhecida pelo Supremo Tribunal Federal. A decisão foi garantida nesta quinta-feira. Até o momento, sete ministros já expressaram suas decisões e todos eles foram a favor da união entre casais do mesmo sexo, não havendo chances para outro resultado, já que são 10 votos.

Na quarta, o relator Ayres Britto deu parecer favorável à união estável. "O sexo das pessoas, salvo disposição contrária, não se presta para desigualação jurídica", disse o ministro, ao votar.

O julgamento desta quinta começou com o ministro Luiz Fux. O magistrado acompanhou o relator e afirmou que o homossexualismo não é crença, nem opção de vida. Para Fux, não há motivos para impedir a constituição de uma família por homossexuais, ainda mais se a própria Constituição prega uma sociedade sem preconceito.

"O homossexual, em regra, não pode constituir família por força de duas questões que são abominadas por nossa Constituição: a intolerância e o preconceito", disse. Ao fim de seu voto, ele falou por toda a corte, seguro de que a união seria aprovada: "Assim, a Suprema Corte concederá aos homossexuais mais que um projeto de vida: daremos um projeto de vida e felicidade".

A segunda a votar nesta quinta e o terceiro voto favorável à união homoafetiva foi da ministra Carmen Lúcia. Ela acompanhou o voto do relator e defendeu que o Direito e as leis não podem ser instrumentos de preconceito. "Todas as formas de preconceito merecem repúdio. A escolha por uma união é homoafetiva, individual e única", afirmou.

O quarto voto favorável foi de Ricardo Lewandowski. De todos os ministros a aprovarem a decisão, ele foi o único que o fez com ressalvas. Segundo o magistrado, o poder legislativo não incluiu casais homossexuais na categoria de união estável e, por isso, a união homoafetiva estável deveria ser entendida como um quarto tipo de família. Hoje, são considerados como família o casamento, a união estável e a relação monoparental. Desta forma, Lewandowski votou pelo reconhecimento até que a legislação produza novas leis a respeito.

O quinto voto veio do ministro Joaquim Barbosa. Ele afirmou que todos têm direito à dignidade humana, independentemente da opção sexual. "A Constituição prima pela proteção dos direitos fundamentais e veda todo tipo de discriminação", afirmou.

O sexto voto foi de Gilmar Mendes. Ele aprovou a decisão após 1 hora e três minutos de discurso. Gilmar fez inúmeras citações, passou pelos dois lados até que às 18h16, ele afirmou acompanhar o voto do relator. "A nossa omissão representaria um quadro de agravamento da proteção de minorias", disse e acrescentou: "Me limito a reconhecer a existência dessa união".

A ministra Ellen Gracie também votou a favor.

Governador Sérgio Cabral foi quem moveu uma das ações

Uma das ações levadas ao Tribunal foi impetrada em fevereiro de 2008 pelo governador Sérgio Cabral, que pediu o fim da distinção entre casais gays e héteros no Código Civil e no Estatuto dos Servidores Civis. O motivo, segundo argumento apresentado por Cabral, é o grande número de casais de homossexuais que mantêm união estável no Estado, incluindo funcionários públicos.

A outra ação analisada foi movida pela Procuradoria-Geral da República em julho de 2009, e é nesse texto que há o pedido para que o STF declare obrigatório o reconhecimento da união de pessoas do mesmo sexo como "entidade familiar".

Fonte: http://www.odia.com.br/


segunda-feira, 2 de maio de 2011

Osama Bin Laden Está Morto


Inimigo público nº 1 dos EUA, o terrorista Osama Bin Laden foi morto por forças americanas, no Paquistão. Segundo informações do governo americano, o terrorista, chefe da Al Qaeda, foi morto dentro de uma mansão. Ele teria sido localizado por aviões espiões não tripulados. O anúncio oficial da morte de Bin Laden foi feito no início da madrugada desta segunda-feira pelo presidente Barack Obama, que fez pronunciamento à nação. Os americanos festejaram a morte do terrorista em frente à Casa Branca.

O líder da rede terrorista Al Qaeda foi morto com um tiro de um dos cerca de 20 militares da Marinha dos Estados Unidos que invadiram, de helicóptero, sua mansão de alta segurança em Abbottabad, a cerca de 50 km da capital paquistanesa. A operação durou 40 minutos e deixou ainda um dos filhos de Bin Laden, uma mulher e dois homens mortos. Nenhum militar americano ficou ferido.

Osama Bin Laden é o responsável pelos ataques de 11 de setembro de 2001, que derrubaram as torres gêmeas do World Trade Center, em Nova Iorque e destruíram o prédio do Pentágono, em Washington, matando mais de 2 mil pessoas. A facção criminosa de Bin Laden também assumiu a autoria de outros ataques, na Europa.

Após a confirmação da morte de Bin Laden, todas as bases militares e representaçõs diplomáticas americanas ao redor do mundo foram postas em alerta, temendo represálias terroristas.

Em seu pronunciamento, Obama disse que a operação que culminou na morte de Osama foi planejada cuidadosamente durante muito tempo. “A todas as famílias que sofreram com os ataques da Al Qaeda, podemos dizer que a justiça foi feita. Deus abençoe a América”, disse Obama.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...