sexta-feira, 6 de maio de 2011

STF Reconhece União Estável Entre Pessoas do Mesmo Sexo


Brasília - A união homoafetiva foi reconhecida pelo Supremo Tribunal Federal. A decisão foi garantida nesta quinta-feira. Até o momento, sete ministros já expressaram suas decisões e todos eles foram a favor da união entre casais do mesmo sexo, não havendo chances para outro resultado, já que são 10 votos.

Na quarta, o relator Ayres Britto deu parecer favorável à união estável. "O sexo das pessoas, salvo disposição contrária, não se presta para desigualação jurídica", disse o ministro, ao votar.

O julgamento desta quinta começou com o ministro Luiz Fux. O magistrado acompanhou o relator e afirmou que o homossexualismo não é crença, nem opção de vida. Para Fux, não há motivos para impedir a constituição de uma família por homossexuais, ainda mais se a própria Constituição prega uma sociedade sem preconceito.

"O homossexual, em regra, não pode constituir família por força de duas questões que são abominadas por nossa Constituição: a intolerância e o preconceito", disse. Ao fim de seu voto, ele falou por toda a corte, seguro de que a união seria aprovada: "Assim, a Suprema Corte concederá aos homossexuais mais que um projeto de vida: daremos um projeto de vida e felicidade".

A segunda a votar nesta quinta e o terceiro voto favorável à união homoafetiva foi da ministra Carmen Lúcia. Ela acompanhou o voto do relator e defendeu que o Direito e as leis não podem ser instrumentos de preconceito. "Todas as formas de preconceito merecem repúdio. A escolha por uma união é homoafetiva, individual e única", afirmou.

O quarto voto favorável foi de Ricardo Lewandowski. De todos os ministros a aprovarem a decisão, ele foi o único que o fez com ressalvas. Segundo o magistrado, o poder legislativo não incluiu casais homossexuais na categoria de união estável e, por isso, a união homoafetiva estável deveria ser entendida como um quarto tipo de família. Hoje, são considerados como família o casamento, a união estável e a relação monoparental. Desta forma, Lewandowski votou pelo reconhecimento até que a legislação produza novas leis a respeito.

O quinto voto veio do ministro Joaquim Barbosa. Ele afirmou que todos têm direito à dignidade humana, independentemente da opção sexual. "A Constituição prima pela proteção dos direitos fundamentais e veda todo tipo de discriminação", afirmou.

O sexto voto foi de Gilmar Mendes. Ele aprovou a decisão após 1 hora e três minutos de discurso. Gilmar fez inúmeras citações, passou pelos dois lados até que às 18h16, ele afirmou acompanhar o voto do relator. "A nossa omissão representaria um quadro de agravamento da proteção de minorias", disse e acrescentou: "Me limito a reconhecer a existência dessa união".

A ministra Ellen Gracie também votou a favor.

Governador Sérgio Cabral foi quem moveu uma das ações

Uma das ações levadas ao Tribunal foi impetrada em fevereiro de 2008 pelo governador Sérgio Cabral, que pediu o fim da distinção entre casais gays e héteros no Código Civil e no Estatuto dos Servidores Civis. O motivo, segundo argumento apresentado por Cabral, é o grande número de casais de homossexuais que mantêm união estável no Estado, incluindo funcionários públicos.

A outra ação analisada foi movida pela Procuradoria-Geral da República em julho de 2009, e é nesse texto que há o pedido para que o STF declare obrigatório o reconhecimento da união de pessoas do mesmo sexo como "entidade familiar".

Fonte: http://www.odia.com.br/


3 comentários:

  1. Querido irmão,

    Certa vez vi um cientista afirmar em um grande noticiário Global que havia descoberto mais de 100 tipos de sexo, e me lembrei da Bíblia que diz em Genesis que Deus criou o homem e a mulher, macho e femea os criou. Até hoje me pergunto, onde estão os outros 98? Acredito que o STF tinha coisas mais urgentes para tratar, por exemplo, certa feita pedi ao Plano de Saúde para incluir o meu pai, então viuvo e meu dependente e recebi a resposta que meu pai eles não poderiam incluir, mas se eu tivesse uma companheira ... Isso tambem nao foi preconceituoso e excludente com o meu pai?

    Flaviana

    ResponderExcluir
  2. Caro amigo e pastor Flávio Constantino,

    Shalom!

    Estou de luto pela atitude de ontem do Supremo Tribunal Federal. A questão pode ter sido legal, porém, jamais moral. As porteiras da miséria espiritual foram escancaradas.
    Em particular, quem quiser que se apegue com Deus. Definitivamente é o fim!

    Oremos!

    Seu conservo em Cristo,
    Pr. Carlos Roberto

    ResponderExcluir
  3. Querido Pastor Flavio, gostaria de compartilhar contigo o link do Reinaldo Azevedo que também comentou sobre essa decisão do STF e sua inconstitucionalidade.

    http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/


    Abraços sempre afetuosos.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...