quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

Meu Pentecostalismo Revisitado por Elienai Cabral Junior


Sou a terceira geração de pastores em minha família. Meu avô materno, hoje jubilado, é pastor da Assembléia de Deus no interior do Rio de Janeiro. Meu avô paterno, já falecido, pregou sua última mensagem (“A que vieste?”) na Assembléia de Deus em Curitiba, onde encerrou sua trajetória ministerial, a três dias de sua partida para o Senhor. Ambos marcaram seus ministérios com uma pregação consistente, criativa e antecedida de pesquisa e elaboração textual. Do meu avô materno, José Carlos Lessa, carrego a impressão de uma pregação professoral e cartesiana. Do meu avô paterno, Osmar Cabral, sua eloqüência e paixão, que o levaram aos ‘pulinhos’ empolgados, foram traços que não o impediram de pregar com gravidade e conteúdo.

Meu pai é pastor no Distrito Federal. Não o conheci em outro ofício senão o do púlpito. Quando nasci, meu pai já viajava o Brasil pregando e promovendo as famosas ‘cruzadas evangelísticas’, “Cruzadas Boas Novas”, protagonizadas pelo Evangelista Bernardo Johnson Jr. À frente da geração anterior, tanto quanto da sua própria, cursou teologia. Escreveu livros, e ainda o faz. Tornou-se uma referência da teologia assembleiana no Brasil. Conseguiu reunir a eloqüência, elaboração intelectual e a criatividade em sua produção pessoal. Seu escritório é uma escandalosa biblioteca. Minha mãe, não poderia deixar de incluir sua presença influente em minha história de pentecostalismo, imprimiu em mim a obsessão pela coerência, um criticismo agudo e insistente, o gosto pela língua bem falada e escrita e uma leitura da fé sem os moldes da teologia sistemática.

Curiosamente, a presença dos livros e a pregação antecedida de pesquisa e elaboração foram parceiras das experiências do tipo pentecostal. Este ambiente de reflexão e espírito inventivo, inusitado para o pentecostalismo, tão intuitivo e passional, não prescindiu das mais legítimas manifestações carismáticas. Cresci ao som de línguas estranhas, promessas derramadas em nossa família por profecias do tipo “Eu, o Senhor teu Deus, falo contigo…”, curas físicas, milagres financeiros, cultos graves e intensos, de tão gloriosa presença do Espírito Santo. Como esquecer o dia em que depois de comer pão coberto com banha de porco e açúcar, por absoluta falta de alternativas, fomos surpreendidos por um amigo da família carregando compras para dentro de casa, porque Deus falara ao seu coração? Como perder a memória da reunião de mulheres na casa de alguém, em que fui batizado com o Espírito Santo, falando em línguas pela primeira vez aos nove anos de idade? Carrego o legado pentecostal nas minhas lembranças de como Deus tornou-se conhecido para mim.

Entrei em contato com o pensamento teológico organizado através dos diversos seminários, que duravam uma semana, ministrados pelo meu pai em seu Ministério Cristocêntrico: As Setenta Semanas de Daniel, O Apocalipse, Carta aos Romanos, A Juventude Cristã e o Sexo. O Batismo com o Espírito Santo e os Dons Espirituais e outras dezenas. Ajudava na organização, inscrições, distribuição de apostilas, certificados. Mas o que gostava mesmo era de sentar entre os participantes, caneta na mão, apostila, Bíblia e uma mente adolescente deslumbrada com a sabedoria do pai e a grandeza de tudo o que ouvia (‘Como pode caber tanta coisa na cabeça de um homem só?!’)

Junto a tudo isso, o ardor evangelístico. Ninguém pedia, mas aos sete e oito anos de idade distribuía folhetos na rua em frente ao prédio onde morávamos em São Vicente, litoral paulista. Um monte de gente passava por ali em certo dia da semana, em direção à feira livre da rua vizinha. Carrego uma memória preciosa do dia em que “ganhei a minha primeira alma para Jesus!” Foi o que gritei quando entrei em casa exigindo que minha mãe me desse um daqueles livros que se dava para um recém convertido. Do livro não esqueço, nem do título nem do autor, De Coração para Coração de Alcebíades Vasconcelos. Desci a escadaria correndo, livro na mão, coração quase saindo pela boca, lágrimas nos olhos. Entreguei o livro e o endereço da igreja na mão do rapaz. Não me pergunte por ele. Nunca mais o vi. Mas ali, de uma forma linda, Deus forjava em um menino o ímpeto pastoral.

Tive um amigo do qual não consigo esquecer. Natanael Rinaldi, um homem apaixonado por vidas e evangelismo. Imagino que ele deveria ter na época mais de quarenta anos de idade. Três vezes na semana, terça, quinta e domingo, à tarde, buscava-me no mesmo endereço que acabei de relatar. Íamos para cultos ao ar livre, hospitais, orfanatos, casas, ruelas. Bíblia de baixo do braço, um maço de folhetos na mão e os olhos dilatados pelo deslumbre de ser um evangelista. A primeira vez de um pregador ninguém esquece. Meu querido amigo avisou-me que eu “daria uma ‘palavra” no culto ao ar livre. Não lembro do que falei. Mas já tinha aprendido com meu pai a andar sempre preparado para uma oportunidade. O que não consigo esquecer é a minha alegria ao dar a notícia ao meu pai de que tinha pregado pela primeira vez. Em seguida, tornei-me um “pregador mirim”. Aonde meu pai fosse pregar, arrumava um jeitinho de “dar uma palavrinha”. A imagem da igreja “em chamas” encantou-me. A vozinha esganiçada de menino vociferava jargões inflamados. Davam-me três minutos e o “fogo” estava atiçado. Cheguei a acreditar que eu fosse realmente muito bom. Mas bom mesmo era aquele povo apaixonado por qualquer expressão mínima de fé.

Subi morros em Niterói, cidade do Estado do Rio de Janeiro. Vi gente possessa por demônios bolar no chão poeirento das clareiras entre os barracos de favelas. Gente opressa por demônios (e por gente, hoje eu sei). Lembro de, aos nove ou dez anos, ter uma mulher diante de mim, depois de rolar de dentro do seu barraco até o centro da roda do culto onde estávamos cantando e pregando, estrebuchando aos berros. Com medo, mas devidamente treinado por tudo o que já tinha visto, baixei com as mãozinhas sobre a sua cabeça e, junto com todos os outros, berrei a ordem de expulsão dos espíritos que ali estavam.

Em minha adolescência, assisti a muitas transformações do ambiente pentecostal. Muitas tradições começaram a ruir, principalmente as estéticas. As mulheres agradeceram. Roupas, cabelos e adereços sofreram as mudanças inexoráveis do mundo moderno. Apesar de ainda hoje encontrarmos guetos de resistência. A estética do culto também mudou, por pressão de uma juventude ansiosa por se expressar. Igrejas pentecostais novas surgiram. Empolguei-me quando descobri uma tal de Assembléia de Deus Betesda em Fortaleza, Ceará. Tirou-me o fôlego, aos quinze anos, depois de um culto pontuado por uma exposição densa da Bíblia e muito quebrantamento, acompanhar os jovens da igreja à beira-mar, onde tomamos sorvete, cantamos louvores em roda na areia da praia e evangelizamos todos os que pudemos. Redescobri o prazer do culto, aprendi a ler com paixão a Bíblia, a orar com freqüência com jovens vindos das drogas e de uma sexualidade pervertida para o Senhor Jesus. “Dancei no espírito”. Freqüentei acampamentos. Participei de “louvorzões”. Escandalizei os mais velhos. Mas continuei junto com tantos outros dentro da igreja. Um pentecostalismo já mudado emergiu em minha geração.

Hoje, sou pastor de uma dessas tantas ‘Betesdas’ espalhadas pelo Brasil. Além de cursar Teologia no mesmo seminário que meu pai(apesar de minha passagem ser marcada por algumas convulsões de comportamento e teologia), formei-me em Filosofia. Mantive o gosto pela leitura que aprendi em casa. Bebo freqüentemente das memórias deixadas por meus avós e pais. Mas pastoreio uma igreja distinta da igreja que eles pastorearam. Meu mundo mudou assustadoramente. E o pentecostalismo também.

Convivo com irmãos que experimentaram o que eu também experimentei no passado. Muitos vivem vergados de culpa. Tentam explicar porque não vivenciamos o fervor de outrora. Porque os dons não se mostram como antes. Nossos cultos tornaram-se diferentes em todos os sentidos. No entanto, não consigo sentir-me nem culpado e nem participante de algo inferior. Apenas vivemos um tempo distinto. O pentecostalismo sofreu mudanças. Alguns valores preciosos se transviaram em vícios vexatórios para a igreja. Mas algumas transformações simplesmente seguiram o curso natural da vida. Diante disso, sinto necessidade de pensar os tropeços pentecostais, além das boas memórias já visitadas. Como também de indicar um caminho possível e necessário para revisitar nosso pentecostalismo.

Até aqui me referi apenas à herança bendita do pentecostalismo. Preciso também me lembrar do que carrego com lamento, ainda de minha infância.

Não demorou muito para descobrir nas aflições de meu pai o que bem depois compreendi com mais precisão. O mundo pentecostal estava profundamente comprometido com uma prática de poder perversa. Perdi a conta das vezes em que meu pai aguardou a chance de pastorear uma igreja no vasto Brasil assembleiano. Recordo-me de alguns detalhes que faziam parte das muitas histórias de decepção. O povo da igreja, admirador de meu pai, tentava se articular de muitas formas contra os movimentos invisíveis dos bastidores políticos. Meu pai ouvia promessas de que tudo seria justo e que ele seria lembrado. No entanto, alguém sempre, por meios questionáveis, conseguia descartá-lo a despeito da vontade popular e impor outro que compusesse interesses políticos maiores. Foram muitas as vezes que vi meu pai chorar, minha mãe consolá-lo e ele, teimosamente, acordar no dia seguinte com a mesma capacidade de continuar sonhando e acreditando em um dia em que seria reconhecido o seu valor.

Também ouvi as tantas conversas sobre os tantos “esquemas” para que alguém se perpetuasse à frente de uma igreja, de uma supervisão, de uma convenção, ou mesmo da Convenção Geral das Assembléias de Deus (CGADB). Histórias como a de um porteiro que recebeu credencial de pastor de última hora para ajudar a eleger como presidente da convenção um certo líder, ouvi com uma freqüência vergonhosa. Coisas como estas foram ensinando ao meu coração, à minha inconsciência de então, o que hoje discirno com lúcida consciência, que o poder pentecostal confundiu-se rapidamente com um outro poder, articulado por gente que aprendeu a amar títulos, mando e prestígio humano.

Minha primeira tentativa de explicação é que o poder pentecostal comportou-se como uma habilitação para o desempenho de tarefas tão somente. Gente com poder faz mais e melhor. A conclusão óbvia foi que apenas os que recebessem tal virtude, o Batismo com o Espírito Santo, sinalizado primeira e necessariamente com a fala prodigiosa de línguas estranhas, teriam legitimidade para o exercício ministerial. Receber “poder” transformou-se em ter “poder”, legitimidade de mando e prestígio diante dos demais. Uma vez falando em línguas, o próximo passo era ser diácono. Vi tanto crente devoto e talentoso amargar o desprestígio diante da igreja! Vi tantos irmãos sinceros impedidos de desenvolverem ministérios na igreja porque não falavam em línguas! Também vi tanta gente de conduta questionável exercendo o mando apenas porque um dia falou em línguas estranhas! As disputas de poder, busca de títulos, hierarquização dos ministérios são características fortes e inegáveis dos ambientes pentecostais clássicos.

Mas uma outra característica, esta mais recente e escandalosa, é a do envolvimento de líderes pentecostais com as disputas políticas seculares. Desde a Constituinte de 1988, nós pentecostais não conseguimos ficar de fora da lista de nenhum grande escândalo da vida pública. Negociações indecentes com forças políticas têm sido freqüentes na recente história pentecostal. Contam-se como piadas de crentes as participações de certos líderes políticos em cultos evangélicos, que não se intimidam em saudar os crentes com “a paz do Senhor” e proferir os jargões devidamente ensinados por seus assessores. Novamente, aqueles que foram ensinados a buscar o poder do Espírito, com estranha facilidade passaram a buscar o poder político.

Sofremos a mesma tentação de Jesus no deserto, “tudo isso te darei se prostrado me adorares”. O Cristo, cheio do Espírito no batismo do Jordão, prestes a percorrer o mundo com o evangelho, recusou-se a confundir o poder pelo qual veio com o poder político oferecido pelo Diabo. Jesus venceu, “somente a Deus adorarás, somente a Ele prestarás culto”. Nós pentecostais prostramo-nos diante do Maligno ao amarmos e promovermos este outro poder. Estamos no Congresso Nacional há duas décadas, mas não mais temos como emblema a integridade moral. Hoje, a bancada evangélica é vista como um dos grupos mais corruptos no trato com a coisa pública. Prostramo-nos também e de vergonha diante do povo brasileiro.

Outra leitura que faço é a da cria indesejada do pentecostalismo, o neopentecostalismo. Aqui me arrisco de novo em uma explicação. O neo-pentecostalismo nasceu do adiamento pentecostal da reflexão. Digo adiamento, porque não questiono a ausência de vocação para refletir de qualquer novo fenômeno religioso. A história ratifica o fato. Mas a dificuldade de se reinventar como movimento, a rigidez postergada da irreflexão ocasionou uma fissura do tamanho do neopentecostalismo.

As manifestações derivadas do neopentecostalismo cada vez mais bizarras e cada vez se substituindo mais rapidamente por outras, marca da lógica de mercado, foram recebidas com fluência no ambiente pentecostal clássico. Ávidos pelo poder em sua expressão mais performática, inconformados com a perda do fenômeno pentecostal das primeiras décadas, nós pentecostais tornamo-nos presas fáceis para a chamada teologia da prosperidade e movimentos da fé de origem norte-americana. Rapidamente nosso pentecostalismo migrou do fervor missionário para o êxtase narcisista. Lotamos auditórios para assistirmos o espetáculo de ilusionistas religiosos derrubando no chão crentes sugestionáveis. Escancaramos nossas portas para ouvir com ingenuidade pregadores influenciados pelo neognosticismo originado na Ciência Cristã, também exportado pela cultura evangélica norte-americana. Alguém já disse que os alemães inventaram a teologia, os americanos estragaram e nós consumimos!

Diante disso, proponho uma revisão de nossa pentecostalidade. Precisamos aprofundar o sentido de poder quando falamos do poder do Espírito. Enquanto movimento, o pentecostalismo não precisou fazer algumas reflexões. O fenômeno freqüentemente prescinde de reflexão. Mas o desenrolar do tempo encerrou o fenômeno, o que também é constituinte de um movimento, assim como foi no primeiro século da igreja cristã. O mundo mudou, nossas práticas mais antigas tornaram-se inócuas. Nossa linguagem expirou sua comunicação. Nossos cultos não reproduzem com naturalidade as mesmas experiências do passado. Toda reedição forçosa de um fenômeno espiritual torna-se artificial, efêmera e tende a descambar em manipulação inescrupulosa.

Proponho uma arqueologia de nossa alma pentecostal. Sem medo de descobrir o que hoje pode ser apenas um fóssil esquecido de nossas origens. Desconfio que “o poder pentecostal” é este fóssil de nossa espiritualidade a ser reencontrado. Acredito que o “elo perdido” de nossa pentecostalidade é a prática deste outro poder fossilizado por nossas buscas de expressão social e política. Cabe-nos parar. Pensar e converter-nos ao primeiro amor. “Volte para o lugar onde caístes”.

Como emblema do nosso pentecostalismo, o falar em línguas pode ser o ícone deste movimento aqui revisitado. Façamos do falar em línguas nosso ponto simbólico de reflexão e construção deste novo pentecostalismo. Dentro do discurso tradicional da doutrina pentecostal, o falar em línguas estranhas, a glossolalia de Atos 2, é o primeiro sinal necessário e evidência do Batismo com o Espírito Santo. As línguas estranhas são o fenômeno da segunda benção. Esta por sua vez, distinta da salvação, sujeita e posterior a ela, é o componente carismático de Deus para o cumprimento da tarefa missionária da igreja (At 1.8). A conclusão imediata da doutrina pentecostal é que ninguém está plenamente apto para o exercício ministerial sem o batismo com o Espírito Santo e este evidenciado pelo falar em línguas. Como também, o sinal de línguas, freqüentemente diferenciado pelos manuais pentecostais do dom de línguas, é a porta de entrada dos dons espirituais listados por Paulo(1Co 12).

A relação óbvia das línguas com o poder precisa ser enxergada na prática pentecostal. Quem fala em línguas tem poder. Os que ousam discutir a relação necessária do Batismo com as línguas ouve a questão sempre: mas como saber se alguém foi ou não batizado sem as línguas? Para conferir o estatuto de competência espiritual ao então batizado com o Espírito Santo precisamos de uma evidência forte. Para promovê-lo à elite dos contemplados pelo poder carecemos de uma indicação indiscutível. O que novamente indica que o falar em línguas alça o indivíduo à categoria dos que podem em detrimento dos que não podem. O critério de conferir cargos eclesiásticos ao que fala em línguas aprofunda a relação línguas-poder. E o faz de forma mais grosseira, porque agora quem fala em línguas é promovido na hierarquia de poder. Diácono, presbítero, evangelista e pastor, os homens do mando têm que carregar a chancela das línguas estranhas.

Lembro de falar em línguas pela primeira vez aos nove anos. O prodígio inexplicavelmente não se repetiu mais pelos próximos anos. Aos quinze, sofria por não falar em línguas. Entenda o que se passava em minha mente adolescente. Sonhava com o ministério pastoral. Mas não falar em línguas esbarrava meus planos. Cada apelo ao final do culto deixava minhas mãos molhadas, o coração em taquicardia. Ia à frente buscar novamente o batismo, mas voltava para o meu lugar decepcionado. Resolvi fazer um jejum de vinte e quatro horas, às vésperas de um final de semana com cultos de avivamento em nossa igreja. Um pastor norte americano seria o pregador. Na sexta-feira lá estava eu encerrando o meu jejum no culto. Ouvi a pregação com a certeza de que daquele dia não passava. Minha sorte mudaria. No apelo lá estava eu em uma das duas filas formadas nos corredores da igreja, percorrida pelo pregador que, um a um, impôs as mãos e rogou a Jesus o Batismo com o Espírito Santo. Minha vez chegou. Orou, orou e nada. Passou para o próximo e deixou-me arrasado. Desconfiei de meu valor. De minha vocação. Do meu sonho de um dia pastorear. Voltei para o banco. Lá estavam meus colegas ansiosos pela minha volta. A pergunta: e aí? A resposta envergonhada: não deu! Uma irmã do lado, com uma cara de revolta, olhou para mim como que me fuzilando: Como é que pode? Nem depois de jejuar você foi batizado? Ah se eu pudesse sair correndo para bem longe dali. Tempos depois voltei a falar em línguas. Não consigo me lembrar como aconteceu. Simplesmente apagou-se de minha memória. Apenas sei que um dia me dei conta de que falava em línguas estranhas. E o faço até hoje com gratidão a Deus.

Com muita freqüência ouço desabafo de pessoas aflitas dentro da igreja. Sentem-se excluídas por Deus da benção do Espírito Santo. São crentes leais. Homens e mulheres íntegros e apaixonados por Deus. Ouço de homens que morreram sem realizarem o sonho do exercício ministerial por também não terem sido contemplados pelo Batismo.

Esta perspectiva cria algumas situações no mínimo ridículas. Pessoas que falam qualquer coisa que se pareça com o que ouvem de outros. Assovios. Grunhidos. Glórias a Deus repetidos freneticamente até que se tornem impronunciáveis. – Fala “glória” bem rápido, irmão! Glu, glu, glu. Outros são ensinados a repetir o que estão ouvindo. Faz-se qualquer negócio para estar entre os abençoados. Para ser contado entre as mãos que se levantam e fornecem os números alvissareiros do pregador.

Há os pregadores que descobrem fórmulas de como levar o povo ao Batismo. Em um dia desses, um amigo confidenciou-me seu segredo avivalista: – Conto muitos testemunhos e depois ensino às pessoas que peçam uma vez só e depois apenas louvem e glorifiquem a Deus. É tiro certo! Perguntei-lhe: mas e o Espírito Santo? E o nosso relacionamento pessoal com Jesus? Se não fizer tudo como no figurino, Jesus não faz? Isso parece mais um abracadabra pentecostal do que uma visitação prodigiosa do Espírito Santo de Deus!

É preciso que se diga que por mais que funcione, a doutrina pentecostal da evidência inicial do Batismo com o Espírito Santo é oca de conteúdo bíblico. Nos chamados quatro pentecostes de Atos (2.1-13; 8.4-25; 9.24-48; 19.1-6), nem todos registram a glossolalia e, exceto o do Dia de Pentecostes em Jerusalém, o sinal das línguas estranhas não é a única evidência. Lucas lista também as profecias, adoração e alegria. Entre os samaritanos nada diz. Apenas afirma que receberam o Espírito (At 8.17). As línguas são um sinal freqüente, mas não um sinal imprescindível.

Nas cartas, onde se ensina sobre os dons espirituais, nada se fala sobre o Batismo com o Espírito Santo como evidenciado necessária e inicialmente pelo falar em línguas. Ao contrário, as línguas são listadas entre outros dons vários, cuja riqueza está na diversidade. Nem todos fazem as mesmas coisas nem experimentam os mesmos dons. É a vitória do imponderável Espírito Santo sobre a mesmice dominadora das práticas de poder humanas(1Co 12.28-31).

Não vemos os apóstolos recomendando às igrejas a busca do Batismo com o Espírito Santo. Ensinam a busca dos dons em sua diversidade. Falam a essas igrejas partindo do pressuposto de que já experimentaram a segunda benção. Mais ainda, em Atos, Lucas não descreve nenhum caso de batismo com o Espírito individual. Salvo o registro de que Paulo, após a oração de Ananias, foi curado de sua enfermidade e ficou cheio do Espírito. Todos os demais registros são de um fenômeno coletivo. O Espírito foi derramado sobre todos os que estavam no cenáculo em Jerusalém. Entre os samaritanos, Pedro e João impuseram as mãos e eles receberam o Espírito Santo. Na casa de Cornélio, o Espírito desceu sobre todos os que ouviam a pregação de Pedro. Entre os discípulos efésios, Paulo os batizou nas águas e todos foram cheios do Espírito.

A experiência do Batismo com o Espírito Santo não é solipsista. Não se sabe de alguns do culto que não provaram. É comunitária, porque é uma experiência de relacionalidade e não de exclusividade. Os dons do Espírito, curiosamente, só se justificam na comunhão. Paulo não deixa dúvidas sobre isto na tríade de capítulos, 12, 13 e 14, da Primeira Carta aos Coríntios, onde ensina sobre o fervor inteligente dos dons no culto. 12.7: “A cada um, porém, é dada a manifestação do Espírito, visando ao bem comum.” 14.2-4 e 12: “Pois quem fala em uma língua não fala aos homens, mas a Deus. De fato, ninguém o entende; em espírito fala mistérios. Mas quem profetiza o faz para edificação, encorajamento e consolação dos homens. Quem fala em língua a si mesmo se edifica, mas quem profetiza edifica a igreja. Assim acontece com vocês. Visto que estão ansiosos por terem dons espirituais, procurem crescer naqueles que trazem a edificação para a igreja.”

Não há alguns batizados em detrimento de outros na igreja local, no ajuntamento dos irmãos. Quando um é, todos são. Esta é a lógica da Bíblia. Quantos foram batizados? Esta é a pergunta recorrente no ambiente pentecostal. Um equívoco. A pergunta bíblica não é esta: A igreja já foi batizada com Espírito Santo? Isto significaria dizer que qualquer um que dela fizer parte torna-se participante da segunda benção, que certamente será por ele experimentada com intensidade em algum momento e partir de algum dom espiritual.

Finalmente, o dom de línguas, ao contrário do que somos levados a crer na ambiência pentecostal, não é um sinal de poder, prestígio e orgulho. É um sinal de fraqueza, humildade e esvaziamento. Falamos línguas que sequer conseguimos entender(1Co 14.14). O sinal mais freqüente do Batismo com o Espírito Santo é o da fala de algo que nós mesmos não conseguimos elaborar. Isto que recebemos de Deus, por sua graça, a salvação em Cristo é algo tão superior a nós, tão acima de nossos méritos e habilidades que sequer conseguimos fazer caber em nossa linguagem. Outras línguas são as que falam com satisfação, mas apenas para o íntimo de quem fala. Aquele que fala em outras línguas é lembrado e torna-se um lembrete de Deus de que é limitado. De que o Reino do qual participa não foi conquistado por suas habilidades e, portanto, quem quer que dele participe precisará depender do Espírito Santo de Deus, o Outro Consolador que nos guiará em todas as coisas.

O dom de línguas é um lembrete com doce vergonha da nossa incapacidade de fazer coisas. Precisamos de Deus. Precisamos uns dos outros. A descrição da igreja pentecostal em Atos não é de uma igreja potente e imponente. Mas de uma comunidade de irmãos que se amavam concretamente. At 2.44-47: “Os que criam mantinham-se unidos e tinham tudo em comum. Vendendo suas propriedades e bens, distribuíam a cada um conforme a sua necessidade. Todos os dias, continuavam a reunir-se no pátio do templo. Partiam o pão em suas casas, e juntos participavam das refeições, com alegria e sinceridade de coração, louvando a Deus e tendo a simpatia de todo o povo. E o Senhor lhes acrescentava diariamente os que iam sendo salvos.” A irracionalidade do dom de línguas é percebida com cuidado pelo Apóstolo Paulo. Sua advertência nos leva a exercer este dom de fora para dentro. Falando consigo mesmo. Como que se deixando convencer pelo Espírito de sua inadequação diante da grandeza da obra de Deus em nós. Fale consigo mesmo e converta-se ao irmão. Fale consigo mesmo e torne-se mais permeável ao próximo. Um homem melhor. Uma mulher melhor. Gente enternecida diante de Deus e do mundo.

No dom de línguas somos levados a um esvaziamento de poder. Nosso poder caído, de gente pecadora. O poder de dominação do outro e perpetuação de si mesmo é substituído por um outro poder. Poder do Espírito. Bem maior do que a nossa vã linguagem pode pronunciar. O mesmo que veio sobre Jesus e o capacitou a encarnar o amor de Deus entre os homens, mesmo sem ter falado em outras línguas. O mesmo poder que capacitou Jesus a fragilizar-se como pessoa até a morte de cruz(Fl 2.5-8). A enfrentar o poder das Trevas no palco do Calvário. A vencer o poder maligno não com mais poder, mas com outro poder. O poder do amor que se enfraquece para salvar.

Mais do que nunca, nosso pentecostalismo precisa redescobrir sua busca de poder. É inadiável uma renúncia deste poder violento de dominação religiosa. Não somos chamados por Deus para abalar nossas cidades com o poder do Espírito. Nossa gente já está abalada demais pela violência, pelos maus governantes, pelo mercado implacável, pela competitividade desumanizante, pela miséria social para sofrer mais abalos.

Nossa vocação pentecostal precisa seguir os passos do Mestre. Cheio do Espírito(Lc 3.21-22; 4.1-13), antes de qualquer tarefa, venceu a tentação do Diabo de viver por um outro poder que não o que recebera no Jordão sob a fala amorosa do Pai: “Este é o meu filho amado em quem tenho prazer.”

Se no Jordão, após o batismo de João, Jesus foi batizado no Espírito Santo. No deserto, solitário e suscetível, foi batizado pelo Espírito em nossa humanidade. Na oferta oportuna do Diabo, Jesus renunciou o poder de não ser gente, de embrutecer diante da mais frágil manifestação de fraqueza humana, a fome: transforma esta pedra em pão. Reduzir um tempo de intimidade com Deus e com a sua humanidade à magia de atalho para a saciedade seria ridicularizar tudo o que Deus já havia ofertado. Nem só de pão viverá o homem, mas de toda a palavra que vem da boca de Deus.

Recusou-se ao poder de conquistar o mundo em fama e glória, de ter uma imagem brilhante de poder: tudo isto de darei se prostrado me adorares. O poder que veio exercer não atrairia o mundo pela glória e fama, mas pela graciosa entrega de si mesmo em amor. “Mas eu, quando for levantado da terra, atrairei todos a mim”(Jo 12.23-33).

Deu as costas para o poder de ser uma exceção de segurança e felicidade em um mundo inseguro e infeliz: “Se és o Filho de Deus, joga-te daqui para baixo. ‘Ele dará ordens a seus anjos a seu respeito, para o guardarem; com as mãos eles o segurarão, para que você não tropece em alguma pedra’”. Sua resposta tem que ser a nossa: “não colocarás o Senhor teu Deus à prova”. Uma gente cheia do Espírito não carece de espetáculos narcíseos para saber quem é. Já sabemos quem somos. O Espírito já nos foi dado(Lc 11.13). Qualquer outra prova é uma exigência idólatra e tola.

Alguém me perguntou recentemente: qual é o seu pentecostalismo? É este.

Autor: Elienai Cabral Junior
Fonte: http://www.elienaijr.wordpress.com/


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...