segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

As marcas e os marcos


"Desde agora, ninguém me inquiete; porque trago no meu corpo as marcas do Senhor Jesus" (Gl 6.17)


INTRODUÇÃO

Deus se interessa mais pelo nosso caráter do que pelo nosso bem-estar. Deus prefere um Paulo doente a um Saulo são. Isto porque não se preocupa com o que ele é. Evidentemente, que estas declarações não devem ser tomadas como idéias inconseqüentes, mas sim asseverações que surgem uma temática e um contexto do qual não podemos nos afastar.

Por isso que algumas coisas que ocorrem na vida de um homem de Deus, principalmente aquelas que acontecem ao longo do seu ministério, fazem parte do tratamento de Deus para formação do seu caráter ministerial.

Paulo, apóstolo dos gentios, foi quebrado por Jesus Cristo desde o momento que foi abalrroado no caminho para Damasco. Nesta experiência, Paulo tomou conhecimento de três verdades com as quais conviveu até o fim do seu ministério.

1. Conheceu a autoridade de Jesus como o Filho de Deus.
2. Conheceu que a Igreja de Deus é indestrutível. Lutar contra a Igreja é lutar contra Deus.
3. Conheceu que a Igreja e Jesus não se separam.

A este homem, desde o começo, ficou revelado o quanto iria sofrer pelo evangelho: “...e eu lhe mostrarei quanto deve padecer pelo meu nome” (At.9.16). A lista de sofrimentos de Paulo é variada e imensa:
Açoites, prisões, perigo de morte (muitas vezes), cinco quarentenas de açoites menos um, três vezes açoitado com varas, uma vez apedrejado, três vezes sofreu naufrágios, uma noite e um dia passou no abismo, perigos dos da minha nação, perigos dos gentios, perigos na cidade, perigos no deserto, perigos no mar, perigos entre falsos irmãos, trabalhos e fadigas, vigílias com fome e com sede, frio e nudez...

Olhando o ministério deste apóstolo fico impressionado com a consistência, a essência, a variedade, a fecundidade, a coragem, a dedicação, o envolvimento que ele teve com a obra de Deus. A consistência de suas obras tem sido alvo de investigação de grandes biblistas, teólogos, sociólogos e historiadores de renome. Quanto à essência é indiscutível. As teologias mais claras que temos acerca da obra salvífica de Jesus e sua abrangência nos foram trazidas pela pena deste homem de Deus . Sobre a variedade teológica de Paulo é algo incontestável, pois ele é capaz de falar sobre vários assuntos ao mesmo tempo sem perder o seu objetivo fundamental: mostrar a grandeza da obra de Deus em Cristo. A fecundidade do escritor Paulo vai além do que podemos imaginar. Foi o escritor de maior abrangência de todo o Novo Testamento. Em relação à coragem do apóstolo temos dados vindos da sua própria declaração: “...eu estou pronto para morrer”. Sua dedicação é a mais profunda de todos os apóstolos. Finalmente, seu envolvimento com Aquele que lhe apareceu no caminho de Damasco fica esclarecido na sua própria expressão: “...Não fui desobediente a visão celestial”.

Este homem podia asseverar aos quatros cantos que não foi chamado pelos homens, mas por Deus. Por isso quando falamos de Paulo falamos de alguém que tem muitas marcas para mostrar no seu ministério. No entanto, de todas as marcas que Paulo trazia dentro e fora do seu corpo, quatro eram as mais profundas. Se não, vejamos:

1. A culpa interior de ter participado da morte de Estevão. Algumas coisas acontecem ao longo do nosso ministério que se pudéssemos apagar, apagaríamos.
2. A Perseguição dos judaizantes que destruíam obras iniciadas por ele em cidades diferentes. Não existe coisa que perturbe mais a um homem de Deus do que fazer e ter sempre que fazer o que começou tão bem.
3. O seu espinho na carne. Alguns especialistas bíblicos escolhem a malária ou o problema de oftalmia como sendo o espinho na carne de Paulo, baseados nas palavras encontradas na epístola aos gálatas: “E não rejeitastes, nem desprezaste isso que era uma tentação na minha carne, antes me recebeste como um anjo de Deus, como Jesus Cristo mesmo, porque vos dou testemunho de que, se possível fora, arrancaríeis os vossos olhos, e mos daríeis” (Gl.4.14-15).
Algumas pessoas precisam ficar marcadas para não saírem da presença de Deus.
4. A traição de alguns em que ele confiava. Paulo foi um homem de poucos amigos, Tíquico, Timóteo, Onésimo, Epafras, mas passou por decepções profundas: “Conservando a fé, e a boa consciência, rejeitando a qual alguns fizeram naufrágio na fé. E entre esses foram Himineu e Alexandre, os quais entreguei a Satanás,para que aprendam a não blasfemar” (1.Tm.1.19-20).
Paulo, como todos os homens de Deus, tinha seus dilemas e suas marcas bem guardadas no peito.

É pensando em tudo isso que ao me voltar para as marcas de Paulo tenho algumas idéias que gostaria de compartilhar com os prezados irmãos.


I – A DIFERENÇA ENTRE MARCA E MARCO

A. Marca – Sinal, indicação, estigma.
B. Marco – Algo que se torna especial, referência, alguém especial, alguém que se torna uma referência pelos seus feitos, história, obras.
Alguns têm marca, e por isso são marcos; outros querem ser marcos, mas não têm marcas.

A – O QUE NÃO SÃO MARCAS MINISTERIAIS

1. Não são aquelas que nós adquirimos na vida, pela nossa maneira errada de viver a vida.
2. Não são as frustrações que passamos na vida por conta da nossa própria improvidência.
3. Não são aquelas produzidas pela insensatez de quem não consegue aprender que a vida é mais do que viver de sonho e de utopia, sem nunca se confrontar com a realidade cotidiana aterradora.
4. Marcas não são as produzidas pela maneira desinteressada de viver vida cristã e, ao final da carreira, perceber que nada aconteceu e que as pretensões viraram fumaça.
5. Não fazem parte das tiradas carismáticas de encher uma reunião e torna-la mais alegre possível.
6. Não são pretensões quantitativas nem qualificativas dos que sonham em se tornar grandes na obra de Deus.
7. Marcas, finalmente, não são experiências de juntar multidões a falar, gritar, dizer o nome de Jesus nos lagradouros públicos. Isso tudo tem outro nome.

B – O QUE SÃO MARCAS MINISTERIAIS ?

1. São aquelas resultantes de uma vida dedicada, envolvida, comprometida com interesses do Reino de Deus.
2. São as produzidas pelos sofrimentos impostos pelas circunstâncias em que às vezes somos colocados e não temos para onde correr.
3. São aquelas patrocinadas pelos anos de vida dedicados a não fazer o que todos fazem e por isso ter que viver sem experimentar o que a maioria está experimentando.
4. São aquelas angústias produzidas pelos choques interpessoais e pelas desilusões de quem acredita na pessoa humana.
5. São aqueles sofrimentos que vão muito além do corpo. Espetam o ser interior, garfam os interesses do espírito e tentam desfazer as mais belas intenções de um coração puro diante de Deus.
6. São aqueles ferimentos abertos na alma ocorridos no campo de batalha, por conta de fofocas, calúnias, perseguições.
7. São marcas produzidas pela forma de ser homem de Deus, e não alguma coisa movida pelos interesses pessoais.

II – SÓ PODE SER MARCO QUEM TEM MARCA

A. Alguns querem ser marcos, mas não te nenhuma marca para respaldar sua pretensão. Isto porque para ser marco tem que ter marcas.
B. Paulo foi um homem de muitas marcas, por isso se tornou um marco entre os apóstolos.
C. Nada pode substituir uma vida experimentada no trabalho de Deus. Os que não tem a experiência e querem ser mais do que realmente são, não passam de falsidade.
D. Hoje a tendência aviltante é a conduta personalística. Ou seja: a pessoa se mostra bem maior do que na realidade. Na maioria das vezes são pessoas que dizem que são, mas sua história não condiz com o que dizem.
E. Na atualidade, a moda é o “ministério apostólico”. Pessoas que se intitulam uma coisa sem estarem aptos para serem o que se intitulam.

III- O TÍTULO NÃO PODE SER MAIOR DO QUE A PESSOA

A. Antes de qualquer coisa, devemos entender que o título que adotamos tem que ser compatível com a história que construímos – pois o título não pode ser maior do que a história nem a história pode ser feita em função do título.
B. Os títulos que adquirimos na vida vêm em função do nosso trabalho. E o que fazemos não devemos fazer com o objetivo de adquiri-los. Uma vez que geralmente eles acontecem postumamente.
C. Ninguém deve procurar se marcar na vida para ser um marco. Estas coisas fazem parte do ministério. Quem ainda não passou haverá de passar. Quem ainda não experimentou haverá de experimentar – dia menos dia. Não é pelo fato de alguns começarem pelas bênçãos de Deus que não irão experimentar os maus pedaços que nos ensinam, a sermos melhores e mais preocupados com os interesses do Reino de Deus.

PERORAÇÃO

Alerta! Precisa-se de um homem que tenha o mesmo perfil de Paulo, o apóstolo, que foi um homem em busca do conhecimento de Deus, por intermédio de Jesus Cristo, e, ao final da carreira, ganhou o título de apóstolo dos gentios.



Para que a sua voz seja ouvida precisa ter marcas.

2 comentários:

  1. Paz do Senhor Flavio, antes de tudo quero lhe dizer da minha alegria por reencontra-lo depois de tanto tempo,aleluia que Deus continue te abençoando. Parabéns pelo artigo escrito, isto é uma grande verdade, hoje em dia é muitos Marcos sem marcas. foi um prazer ter este contato contigo, estou Pastreando uma Igreja aqui na paraiba, a cidade é SOLÃNEA, fica perto da capital J. Pessoa,é uma igreja já temos ums 800 membros e estamos em crerscimento continuo, Deus tem nos ajudado, espero vê-lo em breve, um abraço fraterno do seu irmão em Cristo: Cleudimar lima e Familia.

    ResponderExcluir
  2. Pastor Cleudimar, a Paz do Senhor, estou imensamente feliz por saber que o amado irmão está desenvolvendo um grande trabalho ai na Paraiba. Depois de tanto tempo reencontrá-lo ainda que virtualmente. Espero em Deus que eu possa estar te visitando ai algum dia ou o irmão estando por aqui no Rio de Janeiro me visitando. Um grande abraço. Se tiver alguma noticia do restante da nossa turma Nelis Nelson da EMAD fale comigo. Fique na Paz.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...