quinta-feira, 28 de julho de 2011

Escola de Discípulos


Eu estou muito preocupado, como pastor de igreja, com as tendências comportamentais do povo de Deus. Estamos trocando o “evangelho certo” pelo “evangelho que dá certo”, a essência pela existência, a ajuda do céu pela auto-ajuda, a face de Deus pelas mãos de Deus, a piedade pelo persona- lismo, a grandeza dos valores pelos grandes valores, o Evangelho pelo Eu-vangelho, a necessidade de “ser” para Deus pela ganância do ter.

A ditadura da aparência tem feito dos homens assassinos de essências. o imediatismo, o utilitário é o que tem mais valor hoje. Não conseguimos manter algo por muito tempo, não conseguimos fazer algo por muito tempo, não conseguimos ser consistentes.




Esta supervalorização da aparência faz do homem um ser fugaz, efêmero, transitório. Isto porque a mesma velocidade com que conquistamos nossas metas é a mesma com que nos desfazemos delas.

Diante de fatos intrigantes ocorridos na comunidade pentecostal, na atualidade, não tenho dúvidas de asseverar que um deles, dentre tantos outros que podia citar, é a falência de valores e princípios exarados nas Escrituras Sagradas.




Estamos presenciando – como insensíveis e meros expectadores – o pior momento das comunidades pentecostais no Brasil. Experimentamos hoje o esvaziamento de conteúdos cristãos valiosíssimos que jamais poderíamos negociar, por conta de uma publicidade avarenta, comprometida, inescrupulosa, que visa a padronização de todos os atos cristãos, como aceitáveis e politicamente corretos.

Diante do caos existencial por que passam as igrejas que regulam seus índices de crescimento a partir de cultos cheios e eventos repetitivos, sem construir nada a não ser o “nada” aceitável pela maioria.

Em face da roda gigante em que as igrejas se encontram, brincando com o mais e com o menos dos números antropofágicos e o ziguezague do efeito sanfona que estabelece tensão entre o cheio e o vazio, numa obsessão desoladora, precisamos voltar a prática de fazer discípulo como Jesus nos ensinou. Parece um pouco tarde tendo em vista que a ordem deixada por Jesus já fazem dois mil anos.

Queremos sentar para aprender aos pés de Jesus a partir do maior e melhor manual deixado por ele a Bíblia Sagrada.

Tudo isso, por que além de realizar aquilo que de fato Jesus nos chamou para fazer também é uma maneira de repudiar a esse modelo de igreja que tem sido "referencial" no Brasil onde temos presenciado a mercantilização do evangelho, que vende o que deveria ser oferecido de graça, numa tentativa de barganhar com Deus as suas benesses.

Onde algumas pequenas igrejas, sem nenhuma condição financeira, contratam cantores e pregadores "famosos", que sangram os seus cofres só para darem uma resposta ao povo que a igreja está cheia.

Por tudo isso e muito mais estaremos sentados aprendendo as Escrituras, pois, acreditamos que só a partir do discipulado poderemos escapar desse "evangelho viciado" que tem tomado conta do Brasil, salvo algumas igrejas que ainda tem na Bíblia o seu referencial de conduta e prática.

Cumpramos o que Jesus disse em Mt 28.18-20: "Chegando-se Jesus, falou-lhes, dizendo: É me dado todo o poder no céu e na terra. Portanto, ide e fazei discípulos de todos os povos, batizando-os em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo, ensinando-os a guardar todas as coisas que vos tenho mandado. E certamente estou convosco todos os dias, até a consumação do século.”

As aulas terão início no dia 03 de Agosto de 2011 a partir das 19:30 hs.

Que Deus nos abençoe.

Pastor Flavio Ferreira Constantino, espero por você.

sexta-feira, 22 de julho de 2011

Lula chama de "bobagem" passagem bíblica que diz que promete o paraíso para os pobres



SALVADOR e RECIFE- O ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva interpretou, nesta quinta-feira, uma famosa passagem bíblica. Em Salvador, ele disse que é "bobagem" o que o Novo Testamento apregoa sobre a promessa de que o reino dos céus é para os pobres. Ele discursou de manhã para uma plateia formada em sua maioria por pequenos agricultores. Mais tarde, Lula desembarcou em Pernambuco, onde falou rapidamente sobre a crise dos Transportes.

"Bobagem, essa coisa que inventaram que os pobres vão ganhar o reino dos céus. Nós queremos o reino agora, aqui na Terra. Para nós inventaram um slogan que tudo tá no futuro. É mais fácil um camelo passar no fundo de uma agulha do que um rico ir para o céu . O rico já está no céu, aqui. Porque um cara que levanta de manhã todo o dia, come do bom e do melhor, viaja para onde quer, janta do bom e do melhor, passeia, esse já está no céu. Agora o coitado que levanta de manhã, de sol a sol, no cabo de uma enxada, não tem uma maquininha para trabalhar, tem que cavar cada covinha, colocar lá e pisar com pé, depois não tem água para irrigar, quando ele colhe não tem preço. Esse vai pro inferno." discursou, para delírio das cerca de mil pessoas que lotavam o auditório de um hotel de Salvador, onde foi realizado o lançamento do Plano Safra da Agricultura Familiar da Bahia 2011/2012.

Pouco antes de falar, recebeu de presente uma garrafa de cachaça e outros produtos de cooperativas. Como se ainda estivesse ocupando a cadeira de presidente da República, Lula fez um balanço de suas realizações na área da agricultura familiar e recomendou que sua sucessora Dilma Rousseff prossiga com "a política de distribuição de renda no campo".

O ponto alto do seu discurso de 15 minutos - que seria apenas uma rápida saudação - foi quando resolveu criticar indiretamente o versículo 25, capítulo 18, do Evangelho de São Lucas, a parábola que Jesus fez sobre as dificuldades do rico alcançar o céu e a facilidade do pobre chegar lá ("Porque é mais fácil entrar um camelo pelo fundo de uma agulha do que entrar um rico no reino de Deus"). Ele insistiu:

" Queremos que todo mundo vá pro céu, agora. Queremos ir pro céu vivo. Não venha pedir para a gente morrer para ir pro céu que a gente quer ficar aqui mesmo" disse.

Segundo a Bíblia, o consolo dos pobres que levam uma vida terrena dura e de privações seria obter os "tesouros espirituais" quando morresse.


Li no blog do Julio Severo


terça-feira, 19 de julho de 2011

Evolução do Cristianismo



Nasceu em Jerusalém como um ESTILO DE VIDA.

Em Roma, tornou-se uma INSTITUIÇÃO.

Na Europa, tornou-se uma CULTURA.

Na América, virou um EMPREENDIMENTO.

No Brasil, tornou-se um ENTRETENIMENTO





(Extraídos e revisados do módulo: Visão e Estrutura - "MIC Brasil").

sexta-feira, 8 de julho de 2011

Pastor Marco Feliciano no Trombone


Deputado chama declarações de parlamentares pró-gays de medíocres

O pastor e deputado federal Marco Feliciano comentou com exclusividade para o Gospel Prime sobre o vídeo divulgado pela Frente Evangélica Nacional de Ação Social e Política (FENASP) que mostra alguns políticos pró-gays comentando sobre os parlamentares evangélicos, sobre a Marcha para Jesus e dizendo que a Bíblia é um mito.

O pastor que assistiu ao vídeo diz que para ele o conteúdo divulgado é “medíocre, simplista, difamatório, cheio de ódio e cheio de eclesiofobia”. Na reunião que foi filmada o deputado federal Jean Wyllys, o deputado distrital Professor Israel e a deputada federal Érika Kokay conversam sobre vários assuntos.

Enquanto o Professor Israel diz que os evangélicos se reúnem todos os domingos para “levantar suas ideias e suas mentiras” a deputada comemora o aumento do número de beijos na boca entre homossexuais em lugares públicos e diz que os deputados e senadores evangélicos são “frustrados sexualmente”. Já Jean Wyllys diz que “um texto bíblico não deve ser interpretado como lei, mas como um mito”. O ex-BBB também afirma que os textos da Bíblia “não dão conta da verdade”.

Marco Feliciano, assim como o senador Magno Malta e o pastor Silas Malafaia, é acusado constantemente por militantes gays de homofóbico, por seus posicionamentos contra o homossexualismo.

“O termo homofobia foi criado e adaptado, na verdade ele refere-se ao ‘medo de homem’, mas adaptaram para ‘ódio a homossexuais’. Portanto só pode ser punido por um crime com esse nome, aqueles que exercem o ódio até as vias de fato aos homossexuais, ou seja, aqueles que agridem e praticam a violência contra eles.” Diz o pastor da Catedral do Avivamento.

Apesar dessas acusações, não encontramos nos discursos desses religiosos, taxados de “fundamentalistas” palavras que incitem ao ódio e a violência contra homossexuais, por outro lado na internet e principalmente no Twitter encontramos mensagens destinadas a eles com palavrões e xingamentos.

O pastor diz que recebe essas mensagens, mas usa a maior arma que ele possui contra elas: o silêncio e evita responder a essas ofensas. “Uso a maior de todas as armas que tenho, o silêncio, que somado a paciência e a oração, me fazem sentir pena desses seres humanos, ao invés de ódio.”

O conteúdo dessas mensagens e também do próprio vídeo pode ser caracterizado como calúnia e difamação, mas Feliciano não pretende entrar com ações judiciais. “Do ponto de vista legal, toda difamação pode ser punida. Mas nossa bancada é composta por homens e mulheres de Deus, que conhecem a Bíblia, e nela esta a promessa de perseguições por defendermos nossa fé, portanto apenas oramos, afinal estão cegos pelo príncipe desse mundo, e conclamo em nome de todos os Parlamentares Cristãos que o povo de Deus ore por nós em nome de Jesus.”

O pastor já se posicionou contra a aprovação do Projeto de Lei 122 e também foi um dos parlamentares que se levantou para impedir que o Kit anti-homofobia elaborado pelo Ministério da Educação chegasse às escolas públicas. Mas, ao contrário do que se imagina, o pastor não é a favor da violência e diz que como deputado vai trabalhar para punir todo tipo de violência, inclusive a violência contra homossexuais.

“Apoio qualquer projeto que venha punir a violência, seja ela praticada contra quem for, e isso inclui esse grupo”, encerra o pastor.

Fonte: Gospel Prime

quarta-feira, 6 de julho de 2011

A Parábola do Sapo e o Escorpião


Certa vez, um escorpião
aproximou-se de um sapo
que estava na beira de um rio.

O escorpião vinha fazer um pedido:
"Sapinho, você poderia me carregar
até a outra margem deste rio tão largo?"


O sapo respondeu: "Só se eu fosse tolo!
Você vai me picar,
eu vou ficar paralisado e vou afundar."

Disse o escorpião: "Isso é ridículo!
Se eu o picasse, ambos afundaríamos."

Confiando na lógica do escorpião,
o sapo concordou e levou
o escorpião nas costas,
enquanto nadava
para atravessar o rio.
No meio do rio, o escorpião
cravou seu ferrão no sapo.

Atingido pelo veneno,
e já começando a afundar,
o sapo voltou-se para o escorpião
e perguntou: "Por quê? Por quê?"

E o escorpião respondeu:
"Por que sou um escorpião
e essa é a minha natureza."



Escorpião será sempre escorpião.

segunda-feira, 4 de julho de 2011

Silas Malafaia Prefeito do Rio?


Rio - O tititi corre solto entre políticos do Estado. O pastor Silas Malafaia, aquele mesmo que andou espalhando outdoors contra homossexuais, analisa a possibilidade de se candidatar a prefeito do Rio. Samuel Malafaia, irmão do pastor, é deputado estadual.

Autor: Fernando Molica
Fonte: http://www.odia.com.br/


O Sepultamento da PL 122


Relatora do Projeto de Lei 122/10 e a Frente Parlamentar Mista Permanente em Defesa da Família Brasileira querem um novo texto para focar no combate ao preconceito no país.

O polêmico projeto de lei 122, conhecido erroneamente como lei anti-homofobia, foi sepultado de forma definitiva pela própria relatora, senadora Marta Suplicy (PT/SP) durante almoço no gabinete do senador Magno Malta (PR/ES), presidente da Frente Parlamentar Mista Permanente em Defesa da Família Brasileira. Participaram também da reunião o senador Walter Pinheiro (PT/BA), deputada federal Benedita da Silva (PT/RJ), deputado federal Lauriete Almeida (PSC/ES) e o deputado Gilmar Machado (PT/MG).

Para o Senador Magno Malta “o projeto que criminaliza a homofobia, da ex-senadora Iara Bernardi, é eivado de inconstitucionalidade e vai contra a família. A Própria relatora percebeu a insatisfação da maioria em virtude do contexto da PL 122, que só contempla um segmento e o preconceito é enraizado no Brasil e criminosamente atinge todas as classes sociais e segmentos da comunidade”, explicou Magno Malta.

Para o senador, não se trata de um debate entre evangélicos e homossexuais, mas que deve envolver todos os segmentos da sociedade que querem se manifestar sobre o assunto. “Pobres, deficientes, povos de várias raças, nômades, religiosos e idosos sofrem preconceito. É importante conscientizar a sociedade e criar leis para acabar com todo o tipo de preconceito no Brasil”, falou Magno Malta.

Durante a Manifestação do Orgulho Gay, em São Paulo, a senadora Marta Suplicy falou pela primeira vez em modificar a proposta, começando pelo nome. “A PL 122 não passa, precisa de uma mudança profunda no conceito e no contexto”, disse a senadora para os homossexuais.

Coerente na luta em defesa da família, Magno Malta também tinha convicção de que o PL 122 não seria aprovado. Ele declarou para a revista Comunhão, que até renunciaria. “Não foi bravata, só deixei claro que a maioria dos brasileiros, segundo pesquisa do próprio governo, não aceita mudanças de comportamento impostas por qualquer setor. Não tenho preconceito contra homossexuais, mas também não aceito alguns comportamentos que ferem princípios, explicou Magno Malta.

Fonte: www.magnomalta.com

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...